Capela dos Espelhos


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


A capela

- É um espetáculo encantador quando os primeiros raios de luz começam a invadir as paredes do labirinto e à se refletir em diversos padrões e cores pelos espelhos. Eu pelo menos nunca vi nada parecido com isto, nem mesmo a aurora boreal é tão bonita, você não acha Kyle?

Winter dizia isso enquanto lâminas de dor e ódio perfuravam seu coração pela morte do magus Ramuh. Enquanto tentava passar tranqüilidade para as crianças Winter olhava para o monumento que havia sido feito no jardim da Capela para abrigar os restos mortais de seu amigo.

- Não sei Mestre Winter, eu nunca vi esta tal de aurora boreal senhor, nem sei o que é na realidade.

- E você Luiza? Já viu algo assim? Dizendo isso Winter se afasta um pouco de uma das muitas janelas do prédio principal para deixar que a pequena mate sua curiosidade e também possa ver também os padrões de cores que se formam dentro do labirinto de espelho. Talvez as luzes coloridas pudessem enganar as crianças dando-lhes um pouco mais de esperança e lhes fizessem esquecer os fatos das últimas horas. Fora uma experiência traumatizante o ataque de todas aquelas criaturas ao mesmo tempo.

- É lindo Mestre Winter! Olhe ali naquele canto Kyle... parece uma colcha tecida com fios de arco íris.

As duas crianças parecem impressionadas olhando para o labirinto. Winter olha para a expressão dos dois tentando imaginar se esta também foi sua expressão quando o Senhor Aat o segurou no colo e lhe mostrou o labirinto, dizendo que aquilo tudo um dia seria dele. Ele esboça um leve sorriso, mas a visão da lápide de Ramuh enche mais um vez sua alma de pesar.

A Capela dos espelhos, é muito nova perante outras grandes capelas que existem por aí no mundo afora e ainda não tem importância quase nenhuma para o Conselho ou para a Tecnocracia. Sua criação se deu logo após a formação da Cabala dos Espelhos no ano de 2000 quando um grupo de seis magi resolveram se juntar em um objetivo mútuo: recuperar os conhecimentos perdidos dentro de um antigo labirinto nefandi que tivera suas paredes transformadas em espelhos em uma reação do paradoxo há muito tempo atrás.

Os membros desta cabala sempre tiveram o intuito de fazê-la crescer e junto com ela prosperar a Capela. Apesar de enfrentarem muitos problemas internos, eles tem a disposição necessária para fazê-la crescer. Possuem um líder que se mostra forte e que conta com a ajuda de cinco sábios magi conselheiros. Talvez esta vontade seja o suficiente para fazer a Capela prosperar mas os magis terão que se mostrar sábios e persistentes se quiserem mantê-la em pé e longe das Garras do monstro tecnocrata

Apesar de sempre estarem realizando boas ações, a capela tem uma mancha que nunca poderá ser apagada de sua reputação: ela foi construída à partir de um local corrompido pela mácula dos decaídos. Por mais honrados que seus componentes sejam e por mais que eles tentem firmar suas ações baseadas nas regras do conselho e em éticas morais próprias, a mancha nunca será apagada, ela pode ser clareada até quase o ponto de passar desapercebida, mas olhos atentos sempre estarão aptos à vê-la.

Por ser uma capela muito nova, ela não possui status de respeito na sociedade desperta. Os seus membros estão ocupados demais lidando com suas feridas internas para espalharem as notícias de seus feitos para a sociedade desperta.

A Capela

Nome: Capela dos Espelhos
Tipo da Capela: Capela de Estudo e Aprendizado
Estação: Primavera
Reputação: 4 - Escrupulosa e benévola
Nível de Poder: Capela Mediana (46 pontos de poder)
Status: 0 - Nenhum

As Cabalas

Rachel... Winter ainda se lembra da jovem... ousada e decidida sempre questionando e lutando para conseguir seus direitos. Agora ela estava perdida por culpa da sua incompetência. Ele não pode protegê-la, nem ao magi Ramuh.

- Winter... por favor eu não quero fazer parte daquela cabala... Me deixa fazer parte da sua. Eu não sou mais criança para ficar junto com eles.

- Rachel o que é isso? Só porque na sua cabala estão duas crianças eu não acho que ela seja um grupo ruim. Você tem muito a fazer por lá ajudando sua irmã. E além disso você ensinar muito para os dois menores...

- Mas eu não sou uma babá. Jane quer que eu fique tomando conta deles o tempo todo quando nem você, nem a Cayra estão por perto. Além disso a Luiza nem desperta é! Eu sou uma desperta como você ou a Cayra e como você mesmo diz eu sou uma sacerdotisa da Deusa.

-Sacerdotisa então, por favor aceite as desculpas deste humilde servo da Divindade maior que não concorda com a vossa atitude. Mas de qualquer forma acha melhor você conversar com a Arqui-Sacerdotisa Jane para ver se ela te libera de tuas responsabilidades em sua cabala. Se ela te liberar eu até posso discutir com os outros magi de minha honrosa cabala para ver se você pode ser aceita, mas até lá continue à olhar as crianças.

Uma lágrima escorre da face de Winter enquanto ele se lembra... mas quase que um dia já havia se passado com ele lamentando... era hora de parar de se chorar pelas perdas e organizar novamente as cabalas. Era hora de buscar Rachel pelos confins da Umbra e dar um jeito de tirar Kaworu de dentro dos Espelhos. Uma reunião deveria ser convocada com urgência.

A Capela possui duas cabalas, a Cabala Primordial constituída pelos membros originais, em sua maioria magi iniciados em pelo menos um esfera e uma segunda cabala, a Cabala dos Neófitos, formada por aprendizes e magi menos experientes que auxiliam a cabala principal

A Cabala primordial foi inicialmente constituída por dois magi verbena Winter e Cayra, mais os mestres herméticos Kaworu e Ramuh, mais o Adepto Ad e um magi desconhecido que atende pela alcunha de Doutor. A primeira cabala se formou quando o misterioso Doutor começou a guiar Winter em direção à Ramuh e Cayra. Winter queria reabrir o labirinto e o Doutor sabia como. Winter acabou convencendo os dois magi à ajuda-lo e em sua jornada eles foram parar em Hong Kong onde foram auxiliados por um Magi hermético chamado Kaworu. Após uma batalha árdua os quatro magi conseguiram abrir um portal que dava acesso ao labirinto quando conseguiram uma jóia místika poderosíssima que estava nas mãos de uma nefandus denominada Saya. Com o tempo Ad se juntou à eles com a nobre missão de espalhar os conhecimento que estavam lá trancafiados para todos os magi que quissesem tê-los através da Teia Digital e da Internet.

Infelizmente Ramuh veio à falecer em um ataque ao labirinto da Capela. Winter, ele e Kaworu procuravam algumas informações sobre o Vácuo nas paredes do Labirinto quando foram atacados de surpresa por uma criatura desconhecida. Eles conseguiram deter a criatura após algum tempo mas ao custo da vida de um amigo.

A Cabala dos neófitos é composta por duas verbena Jane e sua irmã menor Rachel, a vazia Lucy e duas crianças: Luiza, uma maga limitada com poderes psíquicos e Kyle um garoto que apesar de ser desperto à alguns anos sempre recusou a mágika em sua vida.

Jane já era amiga de Cayra, quando Winter a procurou junto com Ramuh buscando ajuda. Jane aconselhou Cayra á ajudar os dois estranhos. Quando o labirinto foi reaberto Cayra convidou Jane à se juntar á eles, da mesma forma fez com Rachel. Por causa de uma dívida de gratidão com o Julian Santana, o pai de Luíza, Winter acaba levando a menina para treinar no labirinto, mas depois se arrepende amargamente de deixa-la entrar. O labirinto era muito perigoso para manter crianças lá. Através de seu Avatar, Cayra foi aconselhada à procurar e proteger Kyle. Junto com Rachel elas mostraram à Kyle a mágika pela primeira vez. Após algumas "aulas" Cayra levou o menino para o labirinto para ensiná-lo. Winter é contra a presença de mais crianças no reino, mas aconselhado por Cayra e Kaworu acaba por permitir a permanência do menino lá. Algumas semanas depois junta-se ao grupo Lucy, trazida por Jane. A Vazio procurava Cayra e acaba por se encontrar com Jane. Forma-se então a segunda Cabala da Capela.

No mesmo episódio onde Ramuh é morto, Rachel acaba aprisionando uma das criaturas em algum lugar da Umbra, ficando presa junto com ela. Kaworu se funde à um dos espelhos do labirinto de espelho e vai atrás da causa do mal que os atacava. No final da batalha também acaba perdido em meio ao labirinto.

As Cabalas

Número de Cabalas: 2
Líderes de Cabala: Winter e Jane
Nomes das Cabalas/Tradições: Cabala Primordial/(Cabala Mista), Cabala dos Neófitos/(Cabala Mista)

Prédio da Capela

Winter volta para a janela do terceiro andar onde havia deixado Kyle e Luiza observando a paisagem. Ele tem que reunir todos os outros...

- Luiza, Kyle... eu preciso que você partam em busca dos outros pela casa, mas em hipótese alguma saiam deste prédio, não adentrem o labirinto e isto não é algo para ser desobedecido com a ordem de Cayra pela manhã. Reúnam todos os que encontrarem na salão principal, em dez minutos. É uma reunião de emergência.

Luiza acena com a cabeça enquanto se teleporta para o salão principal e começa a correr entre os enormes pilares de mármore negro procurando mais despertos. Kyle sai correndo em direção à biblioteca, fazendo um barulho tremendo enquanto o piso de tábuas gastas do terceiro andar parece ranger sob seus pés.

Era a primeira vez que magi verbena convocaria uma reunião com os seus assumindo o posto de chefe. Aquele lugar já havia presenciado diversas reuniões de diversas cabalas, durante todos os anos de sua existência. As paredes feitas com pedras de granito grosso já haviam presenciadas muitas decisões importantes ou desastrosas, mas nunca uma reunião destas novas cabalas. Os lustres do enorme salão pareciam tremer de antecipação, ávidos para guardarem consigo as decisões destes jovens magi que agora se denominavam donos do lugar. Se suas decisões seriam acertadas só o tempo poderia dizer.

A capela possui dois prédios idênticos, um no reino dos espelhos e outro na terra. Dizem que os prédio na Terra já mudou várias vezes a sua localização desde a sua construção por volta do ano de 1450.

Apesar desta capela ser nova, o reino e o prédios existem há muito mais tempo que se pode imaginar. Vários magi já estiveram comandando ela durante quase 500 anos. A cada nova geração, os prédio tomava uma nova forma para se adequar aos desejos do Regente da Capela. Muitas vezes seu prédio na Terra foi destruído vítima de ataques. Mas sempre aparecia em algum outro lugar tempos depois com uma nova aparência. Por sorte a Tecnocracia nunca suspeitou da existência do reino até hoje.

Hoje o prédio consiste de uma mansão de três andares situada no centro de uma pequena área verde ainda preservada, próxima à cidade de Nova York. Ela foi construída utilizando materiais bem rústicos como grandes blocos de granito paras as paredes, madeira sem muito trato para janelas, portas e escadas e vidro barato nas janelas. Por ficar no meio deste pequeno bosque e por ele ser uma área particular não aberta à visitação, ela fica à salvo dos olhos de curiosos. O único acesso à ela, sem ser o bosque seria uma única estrada que corta a propriedade mas que é vigiada constantemente por cinco seguranças, mais um sistema de segurança interna.

O prédio no reino é idêntico e fica no centro do labirinto de espelhos que circunda a capela na reino. O prédio possui uma proteção mística que consegue repelir algumas criaturas da noite como os vampiros, mas mesmo em tempos passados os glifos não foram fortes o suficiente para barrar a entrada de um cainita em especial ao local. Lucio Giovanni teve sua entrada facilitada por um dos antigos membros das primeiras cabalas que habitaram o local. O local junto com o vampiro acabaram por liberar várias aparições dentro da casa... algumas das quais até hoje perturbam seu moradores.

Clique aqui para fazer download do Mapa do prédio da Capela

A maior parte dos livros e objetos de poder acabam por ser deixados no reino umbrático. Os despertos temem um ataque tecnocrata à mansão, principalmente por saberem que a Tecnocracia já sabe deles. Mas apesar disto sua biblioteca não tem muitos conhecimentos disponíveis. Tudo o que precisam está em um dos muitos espelhos que compõem o labirinto que rodeia a propriedade... pode ser difícil de encontrar, mas a maior parte dos conhecimentos dos magos da Constantinopla estão lá.

Mas apesar de ter poucos conhecimentos em sua biblioteca, a capela possui um laboratório muito bem equipado... as antigas gerações de magi que moravam por lá deixaram muitos de suas anotações e ferramentas preservadas naquele lugar. Isto é de grande ajuda para os novos magos quando precisam desenvolver seus experimentos ou novos efeitos.

A capela conta com pelo menos quinze acólitos que se dividem em funções básicas de manutenção/administração do prédio, bem como de assuntos pessoais dos despertos. Todos os acólitos são cientes de que servem à magi despertos. Segue abaixo plantas detalhadas os três andares da construção.

Prédio da Capela

Localidade: Vila (-1)
Tamanho: Pequeno (-5)
Terreno: Propriedade Privada (0)
Condições do Prédio: Usada (-5)
Fenômenos Gerais: Assombrado (-5)
Manifestações Mágikas: Nenhuma
Emanações Psíquicas: Normal
Outros Fenômenos: Nenhum
Sistemas de Segurança: Sistema de Segurança de nível simples (+2)
Glifo de Proteção: Glifo de proteção de 5 pontos contra vampiros (+7)
Fortificações: Bem fortificado (+5)
Biblioteca: Modesta
Laboratórios: Superior (+5)

Guardiões

Guardião: Normal
Natureza: Ciente (+5)
Número: 5
Nível de Poder: Mediano (3)
Lealdade: Leal (10)

Comunicações: Nenhuma

Servos/Acólitos

Tipo: Funcional (0)
Número: 15
Lealdade: Leal (+5)
Nível de Poder: 1
Natureza: Adormecidos (+1)

Nodos da Capela

Enquanto se dirige ao local marcado, Winter lembra-se de como antes era mais fácil... Quando ainda era um garoto, quando o Lorde ainda lhe dava ordens e tudo o que ele tinha que fazer era segui-las para não ser castigado. Não... aquilo não era bom seu pai era um tirano que Winter teve que matar para salvar sua própria vida. O seu senhor havia acabado com a vida da única pessoa que ele realmente tinha amado até então: July...

Sentado à sombras da árvores Winter olha para a jovem que repousa em seu colo. As gotas do orvalho dourado carregado pela essência divina do local molham seus corpos nus. Ele olha para o rosto tranqüilo de sua amada que após as horas de paixão repousa exausta sobre ele. Ali naquele lugar eles selaram um pacto de vida para toda a eternidade. Em nome da Deusa e com as fracas da Divindade eles haviam criado uma nova vida que agora repousava no ventre de July. As linhas da essência místika do local se misturavam com os fios de prata do luar tecendo uma colcha de ouro e prata seus corpos...

Então o cheiro fétido da podridão da artes de seu pai invadiu seu nariz. O vento frio do abismo começou a soprar e separou Winter de sua amada para todo o sempre. Farpas de ossos rasgaram a carne de Winter e de sua amada que nem teve de se defender.

Quando levanta seus olhos cheio de ódio, tudo o que Winter consegue pronunciar é:

- Pai, o senhor vai se arrepender muito de ter feito isto... como vai...

Winter engole em seco por se lembrar que não pode salvar sua mulher e filho, nem Ramuh. Mas ele conseguiu proteger sua mentora e vingar todas as mortes que seu pai já havia cometido. Era hora de salvar Rachel e Kaworu além de manter os outros à salvo.

A propriedade da capela pertenceu à mulher de Winter, July. E após sua morte acabou ficando para Winter. Quando viva Lucy realizava naquele lugar diversas festas para adeptos na Nova Era. Apesar de não ser uma desperta, Lucy conhecia alguns verbena e se tornou uma acolita da mentora de Winter, Sabrina.

A propriedade possui um nodo de tamanho razoável, quase do tamanho da casa, escondido dos olhos dos curiosos no interior do bosque, não existe nenhuma trilha aparente que leve até ele. O nodo é um grande círculo de árvores com aproximadamente 17 metros de diâmetro, no seu centro se encontra um pequeno lago raso de águas límpidas que surgem de maneira inexplicável, talvez vindas de uma pequena mina de águas límpidas. Ao redor da lago pedras brancas formam um círculo que reflete a luz da lua. No seu fundo através da areia clara a água borbulha como se saindo do interior da terra, causando pequenas ondas em suas superfície onde pairam algumas folhas das árvores em volta.

O nodo é coberto por grama fina de cor clara e algumas flores e arbustos floridos baixos. As gotas de orvalho que caem à noite sobre a fonte são gotas de quintessência pura. Os magi brincam dizendo para as crianças que são raios de luar solidificados ou o choro de Luna.

Além das gotas de orvalho as linhas de Ley fluem através de toda a área do nodo, mas somente magi que conhecem o nome de local podem absorvê-la. Dizem que um poderoso ritual foi feito naquele lugar dando-lhe um nome e obrigando a quintessência só atender á quem convocasse o nome do local, Oak Lake.

O Oak Lake é uma passagem até o reino dos Espelhos... sempre que os raios da lua cheia incindem sobre a clareira qualquer um consegue chegar até o reino. Uma outra forma do portal entre os reinos se abrir é a pessoa possuir consigo uma ônix ou ametista e mergulhar junto com ela nas águas do lago. Além disso o baixio se abre se abre para qualquer um durante o outuno, quando as folhas dar árvores cobrem toda a parte superior do lago, apesar de nenhum dos despertos da capela saber que ainda exista esta condição.

Nodos da Capela

Localização: Vila (-1)
Tamanho: Mediano (+5)
Terreno: Grande propriedade privada (+5)
Quintessência por mês: 150
Natureza da Quintessência: Normal
Baixio: Típico
Fenômenos Gerais: Nenhum
Manifestações Mágikas: Nenhuma
Emanações Psíquicas: Normal
Outros Fenômenos: Nenhum
Sistemas de Segurança: Nenhum
Glifo de Proteção: Nenhum
Fortificações: Fortificação Média
Guardião: Sem Guardião (-10)
Especial/Outros: Nodo Nomeado (+5)

O Reino da Capela

Antes de descer Winter passou na biblioteca... pegou de forma pesarosa pena e papel e escreveu com dificuldade um bilhete para Ad. Suas mãos sangravam embaixo das ataduras pelos ferimentos feitos à pouco tempo. "Preciso de tua ajuda meu amigo. Rachel está perdida em algum lugar no mundo espiritual. Tente encontrá-la com tua ciência para que possamos traze-la de volta, a situação é desesperadora, fomos atacados e precisamos da ajuda de todos"

Ao chegar ao pé da escada todos já estavam lá: Jane, Cayra, Lucy, Kyle e Luiza. Cayra olha para Winter e como se lê-se seus pensamentos começa a explicar a situação para os companheiros de cabala.

Winter já do lado de fora da capela, estende as mãos aos céus clamando mais uma vez pela ajuda da divindade, os ventos frios do inverno sopram forte levando seus cabelos para trás. As ataduras feitas de forma grosseira começam a soltar de suas mãos e as feridas se abrem novamente. O sangue escorre por seus braços, manchando um pouco mais o manto rasgado e chamuscado enquanto o vento traz consigo uma coruja que vem e pousa em uma de suas mãos. Winter sente a dor das garras da criatura sobre a pele exposta, mas ele sabia que a Divindade exigia um sacrifício de dor e sangue. Ele prende o bilhete no bico do animal e a joga através da pequena fonte ao lado da capela. "Ache o Adepto... entregue a mensagem à ele"

Cayra sai acompanhada de todos os outros companheiros de cabala. E ela ajuda Winter novamente à enrolar as ataduras nas mãos.

- Estamos prontos para busca-lo nos espelhos Winter. Kyle vai comigo, Lucy com Jane e você e Luiza. Quando alguém encontrar algum sinal da presença do hermético avisa os outros.

- Se estiverem em perigo também enviem um sinal, Luiza me levará até onde vocês estão.

Dizendo isso os três grupos partem em direção ao labirinto sem saber o que o futuro lhes reserva... mas confiantes que vão trazer seus amigos de volta....

O reino dos espelhos, é um pequeno reino que flutua pelo horizonte preso apenas por um pequeno cordão de prata que o liga ao nodo de Oak Lake. O reino é uma grande esfera, não devendo ter mais de 500 metros de diâmetro.

Um dia ele já foi um labirinto nefandi, hoje suas paredes são espelhos e guardam muitos dos conhecimentos de todos os magos que já estiveram por lá. Além de muitos dos conhecimentos dos antigos magos de costantinopla... O labirinto ocupa todo o reino, excetuando-se uma área de aproximadamente 1000 metros quadrados que é onde se encontra a sede da capela.

Dos magi que hoje usam a capela, Winter é o que mais conhece o labirinto... ele passou sua infância correndo por entre seus corredores... passou noites dormindo em meio aos corredores infindáveis tentando encontrar novamente a casa de seu senhor. Apesar disso ele só conhece uma pequena parte de todo o labirinto... Muitas salas estavam trancadas e só se abriram agora com a chegada de Lucy, Rachel, Kyle e Luiza. O porque disso Winter não sabe, mas acha que tem algo a ver com as jóias que eles possuem.

Kaworu acredita que existam níveis subterrâneos do labirinto e que a Coifa ainda esteja presente no reino. Em alguma parte do labirinto o vácuo reúne forças para atacar os usurpadores do labirinto. Talvez exista uma passagem direto do labirinto para algum reino repleto de abominações e criaturas vis. O magi oriental sabe que as amarras e trancas que prendem estas criaturas em seus poços infernais estão se afrouxando dia a dia... Algo está dando força para eles. O Magi hermético tem uma teoria, e pretende confirma-la antes que reencarne novamente...

O reino todo tem diversas colinas altas e vales cobertos pelos espelhos... em algumas partes correm pequenos rios feitos de vidro. As nuvens no céu refletem o labirinto bem como o sol. A única parte normal do reino é o local onde fica a capela com grama verde no chão ao invés da pedra cinza e inerte que cobre o chão do labirinto. Apesar destas paisagens torpes o clima vári de um calor agradável, à um frio que pode ser resolvido com um agasalho leve. O dia tem aproximadamente 24 horas e possui dias e noites bem definidos. À noite a uma lua um pouco maior que a da Terra e estrelas podem ser vistas no céu. Nenhuma constelação mapeada pelo homem é reconhecida no céu do labirinto...

Talvez por causa da proximidade com algum reino fragmento, a Mágika de Espírito é muito favorecida no reino, abrir portais ou controlar estes seres se torna uma coisa extremamente fácil para os magi que conhecem a esfera. Rotinas de Entropia e Mente também se tornam mais fáceis de serem executadas... mas estas não tem nenhum teoria específica para serem efetuadas... Nenhuma outra alteração em nenhuma outra esfera é perceptível no reino...

O reino não possui seres viventes à não ser os despertos. Talvez já estivesse na hora de tentar tornar o ecossistema mais parecido com o da terra, mas o espaço do reino que não é inóspito é muito pequeno, mas cabe a mansão e os despertos

Quanto à liderança do reino e capela, o verbena Winter foi escolhido para reger a Capela e zelar pelo Reino. Como as responsabilidades são muitas e como não quer ser injusto com os demais, cada um dos membros da primeira cabala tem direito à voto igual ao de Winter, apesar de que geralmente suas decisões são seguidas sem maiores reclamações, como alguns dos membros mais novos dizem: Ele parece bravo porque é o líder daqui, e todo líder deve tratar os outro com ar de superioridade. Os outros cinco membros do conselho são: Kaworu Naguisa e Mr. Ramuh, magis da respeitosa Ordem de Hermes, apesar de primeiro ter sido em casas Orientais enquanto o segundo em casas Ocidentais, o Adepto da virtualidade conhecido apenas como Ad, a Sacerdotisa dos verbenas Lady Cayra e um desperto misterioso que auxilia o membros da capela que se autodenomina Doutor. Além deles Jane também tem direito à voto sempre que algo que seja decidido diga respeito à sua cabala.

Reino da Capela

Tamanho: Pequeno (-5) - Custo em Quintessência: -50 pontos/dia
Baixio: Típico
Ambiente: Confortável (5)
Arredores/Clima: Bizarro (10) - Custo em Quintessência: (10 pontos/dia)
Fenômenos Gerais: Nenhum
Manifestações Mágikas: Nenhum
Emanações Psíquicas: Normal
Outros Fenômenos: Nenhum
Sistemas de Segurança: Nenhum
Glifo de Proteção: Nenhum
Fortificações: Nenhum
Guardião: Nenhum (-10)
População: Sem pessoas (-5) - Custo em Quintessência: 0
Estruturas Sociais: Arcaica (0) - Custo em Quintessência: 0
Política Interna: Altamente Organizada (+5)
Liderança: Liderança Sábia (+5)
Lealdade: Leal (+5)

Níveis de Esferas:

Correspondência: 0
Entropia: -1 (+2)
Forças: 0
Vida: 0
Matéria: 0
Mente: -1 (+2)
Primórdio: 0
Espírito: -2 (+4)
Tempo: 0

Conclusões Finais

A capela está envolta em segredos, seus membros discutem entre si enquanto as forças dos Nefandi e Tecnocracia avançam contra eles. Alguns suspeitam de que algo maior está por vir, enquanto outros choram pelas perdas do passado.

O reino não tem proteção alguma e no caso de um ataque a queda é iminente, tudo o que o mantém intacto e ligado com o plano terreno é um único nodo, que se manteve até intacto até hoje por causa de um nome: Oak Lake.

Por mais quanto tempo a frágil união das cabalas vai manter a capela em pé. E por quanto tempo o nome Oak Lake vai ficar desconhecido dos inimigos das duas cabalas. Isto só o tempo poderá nos dizer.

local original: Page of Mirrors
nome original: Capela dos Espelhos
autor(es): Winter
tradutor(es):

 Navegação Rápida