A História


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Durante muito tempo os Nefandi se estabeleceram na Grande Belém sem serem importunados por nenhum outro mago ou ser sobrenatural, mas agora os tempos são outros: a Tecnocracia venceu a Guerra da Ascensão.

Com a morte de um Tecnocrata a mais de um ano, a Tecnocracia resolveu reforçar a segurança em certas áreas do centro de Belém. Alguns prédios comercias, pertencentes a grandes empresas de software, estão recrutando alguns jovens do exército para se transformarem em agentes tecnocratas, mas poucos parecem dispostos ou serem bons o suficiente para pertencerem as suas fileiras. Assim somente 10 pessoas fazem parte do grupo de agentes Tecnocratas de Belém.

Há mais de dez anos existe uma Capela na cidade (a maior de Belém), que recruta pessoas para se unirem a um grupo de Magos que caçam e tentam assimilar ameaças à Ascensão. Leia-se: Nefandi, Tecnocratas e Desauridos.

Durante uma investigação, em um ato de "legítima defesa" eles acabaram matando um Tecnocrata. A partir daí a Tecnocracia começou a investigar quais eram os membros do grupo para "esterelizá-los" em nome do tecnocrata morto. Mas apesar destas contantes investigações os agentes ainda não sabem onde o grupo se encontra. Ao contrátio dos tecnocratas o grupo sabe onde são as bases Tecnocratas desta forma tomam muito cuidado por onde andam.

Muitas investigações já levaram a crer que um Mago poderoso já passou por Belém e estabeleceu bases para a formação de um grupo poderoso de investigadores do sobrenatural; os Chasseurs d'Énigmes. Mas nada foi provado, contudo o líder atual da Capela do Templo de Chronos, Alex Smith, conseguiu uma certa cooperação com o grupo de investigadores já citados, sendo um de seus recrutas um "Chasseur", ele é Charlie "The Crow".

Ultimamente tanto a Tecnocracia quanto o Templo de Chronos andaram tendo problemas, um poderoso Mago chegou a cidade e formou uma pequena Cabala da Ordem de Hermes, e agora está em busca de uma Capela. Além deles ainda há a existência de um grupo poderoso de Nefandi, a Cabala das Potências, magos que renegaram o caminho da Ascensão para corromperem almas para seus mestres: os Lordes Negros.

A vida de um místico não é fácil em Belém, mas muitos podem ficar surpresos ao saber que em Belém pode não haver mais que 15 Magos, contudo esta afirmativa é falsa, por não levar em consideração os magos que possuem Caminhos e não Esferas: os Feiticeiros.

local original: Page of Mirrors
nome original: Camihos da Ascensão
autor(es): Arcano Pauxis
tradutor(es):

 Navegação Rápida