Contos


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Após o àrduo treinamento, as crianças se sentaram, e permaneceram em silêncio. Elas jà sabiam o que viria depois: Um dos magos mais experientes iam contar uma história.

Era um momento muito feliz, na maioria das vezes: às vezes, histórias reais, acontecidas com algum deles: às vezes, fàbulas e paràbolas. Todas elas, entretanto, muito significativas, se conseguisem olhà-las da forma certa.

Eles também tinham muitas histórias para contar de quando, juntos, abriram o Labirinto: Tinham sido dias de cansaço, bem recompensados. Winter parecia feliz em voltar ao labirinto, e isso tinha construído um clima de cumplicidade e harmonia entre os magos que o haviam reaberto. Bem... O clima não durou muito, mas as lembranças permaneceram no coração deles, e serão transmitidas para sempre.

Há muito tempo atrás, antes dos filmes, da tevê, do rádio e dos livros, as pessoas costumavam contar histórias umas para as outras. Eram histórias de caçadas, lendas de deuses e de grandes heróis, ou fofocas sobre os vizinhos. Narravam essas histórias em voz alta, como parte de uma tradição oral que, lamentavelmente, foi posta de lado.

Não mais contamos histórias - nós as ouvimos. Sentamo-nos passivamente e deixamos que nos tomem no colo e nos levem para o mundo que nos é descrito, para a percepção de realidade adotada por outros narradores. Tornamo-nos escravos de nossos televisores permitindo que uma oligarquia de artistas nos descreva as nossas vidas, as nossas culturas, a nossa realidade. Através de histórias transmitidas diariamente, nossa imaginação é manipulada - com resultados por vezes positivos mas, na maior parte dos casos, negativos.

As Crônicas de Stephan

I - Registros do Labirinto
II - Sobre Lucy

III - Reminiscências sobre as Verbena
IV - Cayra e as crianças

Uma noite de Lições

O despertar de Justin Keppler
Prefácio
Maya
A casca Realidade
Epílogo...

O Casamento de Marcellus

A Noite Passada
À Respeito de Todas as Coisas
Ao Mestre com carinho
Na Casa de Marcellus
Músicas Tristes e Orações de Despedidas

 

Amanhecer
O Segredo Obscuro
Divagações
Eu não acredito em Duendes
Sou uma assassina
Decaída
Embate Ideológico
O Último Refúgio
O Legado de Zandruz
Os Grilhões do Destino
O Cérebro do Conselho

local original: Page of Mirros
nome original: diversos
autor(es): diversos
tradutor(es):
revisor(es):  

 Navegação Rápida