O Legado de Zandruz


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Egito, Templo Zandruz, 03 de Outubro de 2001, em algum lugar entre a Umbra média e a Umbra Profunda

- Você não devia ter retornado aqui! Não neste momento.

Diz Zininak, tentando falar baixo como se alguém pudesse ouvir sua voz mesmo com o efeito de forças.

- Vim para esclarecer toda a verdade, Senex está de acordo. O rapaz deve saber o que realmente aconteceu, o destino dele acabará levando-o para seu passado e o fato dele estar aqui é uma prova de que devemos iniciar nossa tarefa.

Zininak parece não gostar da idéia, erros passados poderiam ser revelados nessa conversa. Erros que ele não gostaria de relembrar. Mesmo a contragosto ele estica a mão em direção a uma das paredes internas da pirâmide. O anel preto em forma de pentagrama em seu dedo emite uma radiação azul e abre um portal arredondado para uma sala de esfinges com dois grandes tronos de pedra esculpidos com símbolos egípcios.

- Entre Magnom.

Disse Zininak.

Logo após ele entra também. A sala era iluminada por varias tochas que se acenderam logo a entrada de Magnom no ressinto. Nas paredes símbolos e desenhos de egípcios dominavam o local. Ao centro entre os dois tronos uma grande esfinge de pedra.

- Magnom... a muito tempo não escuto este nome, sinto-me feliz em retornar.

Ele retira de seu bolso um outro anel idêntico a de Zininak, só que branco.

- É o momento de desenterrar lembranças dolorosas do passado. Fazem anos desde a última vez que o usei. Evitei todos esse anos utiliza-lo com medo "dele" me reconhecer. A partir de hoje isso não será mais problema.

Diz Magnom enquanto vagarosamente coloca o anel no dedo. Ele coloca-se a frente da Esfinge e com seu anel pressiona um dos olhos da estátua. Zininak faz o mesmo com o outro olho. Após pronunciarem algumas palavras em Jargão Arcaico o peito da Esfinge abre liberando um caixa de madeira com o símbolo da Ordem de Hermes na tampa.

- Tem uma coisa que tenho que lhe dizer antes de entregar isso a ele.

Diz Zininak olhando bem no fundo dos olhos de seu irmão.

- Ele está decaindo!

Essas palavras entraram com um raio pelos ouvidos de Magnom, que em meio ao desespero deixa a caixa cair ao chão. O som da queda da caixa ecoa pela pirâmide como um trovão ecoaria no deserto.

- Não, não pode ser... eu acompanhei seus passos durante todo esse tempo... você tem certeza?

Fala Magnom tentando evitar um mal entendido.

- Sim tenho! Não há dúvidas. Ele tornasse-a um Neffandrun.

Magnom põe-se de joelhos no chão e enquanto uma lágrima corre em seu rosto ele recoloca um anel e um livro que haviam caído da caixa anteriormente. Um aperto enorme toma conta de seu peito, ele seca a lágrima, engole o choro e sem perder compostura ou a auto-suficiência ele levanta-se totalmente recomposto.

- Talvez eu esteja errado. Talvez não seja o momento, mas até que não houver outra pessoa apta a utilizar o legado de nosso pai, isso continuará aqui.

Diz Magnom após recolocar a caixa em seu devido lugar e então ele abre o portal. Antes de sair ele olha nos olhos de Zininak e com um abraço tão apertado quanto estava seu coração no momento ele fala:

- Obrigado irmão, obrigado por evitar que eu cometesse mais este erro. Certamente o destino fará nos reencontrarmos algum dia.

Magnom vira as costas e atravessa o portal.

Neste momento um sentimento de negro poder toma conta da alma de Zininak. Ele havia conseguido. Enquanto Magnon ia embora com sensação de fracasso de tristeza, o Avatar sombrio de Zininak gargalhava sadicamente.

- Sim certamente nos encontraremos Magno. Porém não para entregar o Legado, pois este já é meu!

Pensava Zininak enquanto olhava para o Branco anel que acabara de roubar do bolso de Magno.

local original: Page of Mirrors
nome original: O Legado de Zandruz
autor(es): Leandro Luiz Doss Damo
tradutor(es):

 Navegação Rápida