Crônicas de Stephan


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Capítulo IV - Cayra e as crianças

Sob a data 10 de Janeiro, Stephan descreveu uma cena, sem fazer seus comentários habituais. É impossível saber como tomou conhecimento dela.

Algumas pessoas olhavam para a jovem que estava parada do lado oposto ao portão da escola. Eram mães de alunos, que nunca tinham visto aquela moça lá antes. Deveria ser mãe de algum aluno novo, provavelmente pensavam.

Os estudantes começaram a sair, e alguns pareciam realmente muito apressados. Era uma multidão de mochilas, e rostos sorridentes. A moça acenou. Um menino se aproximou dela, rapidamente. Estava um pouco corado.

-Cayra? -Ele perguntou.- O que faz aqui?

-Eu vim fazer uma visita. Fiquei com saudades, e aproveitei meu dia de folga lá no trabalho. Como você está?

-Eu? - Ele parecia ter uns 8 anos, vestido com uma calça larga e cheia de bolsos, e uma camiseta azul. Seus cabelos quase brancos estavam espetados por gel, e ele parecia profundamente infeliz - Ah, bem...

-Vamos tomar um sorvete? - Cayra sorria - Deve ter uma sorveteria aqui perto, e lá podemos conversar um pouco...

Uns meninos negros passaram perto dos dois e os olharam com ar de desprezo. Eram pelo menos duas vezes mais altos que Kyle, o menino com quem Cayra conversava.

-Tá, pode ser. Mas eu não posso chegar tarde em casa... Tenho que estar lá quando a mamãe voltar...

-Claro, meu querido. Eu te deixo em casa quando precisar. Agora deixe que eu carrego a tua mochila, enquanto você nos leva para um lugar legal.

-Não preci... - Kyle é interrompido pela chegada de uma garota mais velha que ele, loira, vestindo jeans justos e uma blusinha preta, olhando diretamente para os dois.

-Boa Tarde Cayra. Por que você está aqui?

-Oi Rachel. Você estuda aqui também? Olha, este é Kyle, que também é um Desperto. Kyle, essa é a minha amiga Rachel.

-Muito prazer, respondeu Kyle, educado. Mas não entendia porque Cayra o tinha chamado de desperto, e começava a prever que ela ia começar novamente a falar aquelas coisas estranhas sobre magia.

Kyle se recusava a acreditar que era um mago, mesmo que lhe fossem apresentadas as mais concretas provas da existência da magia, como Rachel logo percebeu. Tentando ajudar, só conseguiu fazer com que o menino passasse a detestá-la.

Cayra não sabia por que ele se recusava a admitir os dons que tinha. Ela o conhecera depois de seguir seu Avatar atrás do Avatar de Kyle, que ele chamava de Tomas. O pequeno pedira para que Tomas trouxesse a ele alguém que tivesse uma máquina do tempo. Kyle queria voltar no tempo para salvar seu pai, um dos bombeiros que morreu na tentativa de resgatar as pessoas das Torres Gêmeas, quando elas caíram, em 11 de Setembro de 2.001, o que transformara sua vida tranquila num pesadelo cada vez mais cruel.

local original: Page of Mirrors
nome original: As crônicas de Stephan
autor(es): Verbenazinha Cayra, baseada em idéias de Ad, Kaworu Naguisa, Mr. Ramuh, Winter e da própria autora
tradutor(es):
revisor(es):  

 Navegação Rápida