Coro Celestial


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Et dimîtte nóbis dèbita nostra

Um dia em Roma, por volta do ano de 12 d.c. um homem teve um sonho.

Ele sonhou com um anjo dizendo-lhe:

- Seu filho terá palavras imortais que perdurarão até o final dos tempos.

Esse homem tinha dois filhos, um era um grande poeta, reconhecido na cidade e no Estado, dono de articulação soberba e discernimento invejável, o outro filho era um rapaz sem profissão e sem objetivo certo na vida.

Refletindo sobre o sonho o pai logo concluiu que o filho mensionado pelo anjo era o poeta e que a obra deixada por seu filho seria imortal. Então o pai presenteava o filho com tinos bibelôs e as mais ricas matizes.

O filho mais novo conhecido por preguisoso, certo viu um grupo de soldados indo para a batalha, o filho encantado com aquilo bradou:

- Serei guerreiro !

E entrou para o exército romano, mostrou grande dedicação e desempenho.

Ele ganhou uma casa, vários escravos e foi promovido a centurião.

Certo dia um dos seus escravos adoeceu e o filho soldado, muito preocupado com oque poderia acontecer com o pobre homem, foi a procura de um taumaturgo, que contavam casos, já havia ressucitado o cadáver de Lázaro.

Ele encontrou o homem pessoalmente, esse era chamado Jesus, que lhe disse:

- Pois bem, vamos até seu escravo.

O homem disse:

- Não meu senhor, não sou digno que entreis em minha casa, mas basta que diga uma palavra e meu escravo será salvo.

Admirado nosso senhor dissera que jamais vira uma demonstração de tamanha fé nem entre os seus seguidores e que a fé daquele pagão deveria ser lembrada por toda a eternidade.

O nome e a obra do filho poeta (dono de um discernimento invejável) foram perdidos na história

local original: Truth Until Paradox
nome original: desconhecido
autor(es): desconhecido
tradutor(es):

 Navegação Rápida