Jornalista Determinada


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


História:

Você sempre foi, na sua infância e adolescência, apaixonada pelo jornalismo. Nova, aprendeu a ler as notícias no jornal e com 11 anos publicou seu primeiro fanzine. Logo se tornou redatora do jornal escolar e suas matérias e assuntos eram sempre inovadores e um tanto "ousados", o que a tornou muito popular como a voz dos alunos. Quando cresceu, fez faculdade e entrou para o jornalismo. Seus pais achavam que aquilo não era um emprego que valia a pena, mas quando seu pai morreu, sua mãe passou a não dar a mínima para o que você seria. Como era filha única, poderia entrar com segurança numa boa faculdade. Sempre querendo algo mais, ingressou nesse ofício e logo estava crescendo nele. Dedicada e esforçada, você conseguiu se destacar entre os demais. Feminista, conseguiu provar aos seus colegas de trabalho que poderia ser bem melhor que qualquer um deles. O sucesso veio rapidamente, e logo você chamou a atenção, graças aos seus "talentos natos" de descobrir furos sensacionais, apesar de, às vezes, você precisar extrapolar um pouco e sair da linha para conseguí-los. Mas não importa, pois o mundo é dos mais fortes, não é?

Quando sua mãe morreu, há 2 anos, vítima de um assaltante, você passou a dedicar todas suas forças contra o crime, mesmo que do seu jeito. Ficou conhecida pela polícia pelos seus modos audaciosos e impetuosos, e muitas vezes eles dependeram de você para solucionar alguns casos. Você investiga ações suspeitas, usa a Internet para desmascarar gangues, e se infiltra entre o contrabando para pegar os vilões. Sempre na linha de fogo, suas ações começaram a incomodar grandes chefões do crime, que pretendem dar um "jeitinho" em você. Meio hacker, você às vezes tem que apelar a seus conhecimentos de computador para conseguir algo. E, recentemente, tem se apaixonado cada vez mais por esse ramo de conhecimento e se ingressado entre piratas de dados experientes.

Moradia e Estilo de Vida:

Você tem um pequeno e bagunçado apartamento no subúrbio de New York. Pequeno, de apenas 2 quartos, uma cozinha, banheiro e sala, você o mantém extremamente limpo e confortável, em contraste com o prédio onde vive, que é uma bagunça, velho e "desbotado". Na sua casa, a predominância é da cor azul clara, o que transmite paz, equilíbrio e tranqüilidade. Você trabalha de dia no jornal New York Times, na seção Policial, e é a responsável por toda a seção. À noite, você veste uma roupa mais "confortável" e vai a locais realmente sujos e onde a ação está. Bocas de fumo, bares de reputação duvidosa, e lugares ruins assim. Você também só dorme 4 horas por dia, e se pudesse, dormia menos, para poder passar mais tempo na noite.

Interpretação:

Você é uma sobrevivente. Gosta de pensar que é como uma Louis Lane/Superman, de dia como uma jornalista "comum" – pelo menos nos seus conceitos – e de noite como uma intrépida justiceira, descobrindo a poeira embaixo do carpete da sociedade. Você é honesta, e acredita que o bem acaba vencendo o mal. Mas não é ingênua. Pelo contrário, sabe como deve dançar a música. Perigo não existe pra você, a selva urbana a chama, e se for preciso arriscar sua vida para conseguir o que quer, tudo bem. Tenta não se importar com as ameaças que fazem, se algo acontecer com você, as pessoas vão ficar sabendo e muita gente vai atrás do espertinho. Talvez isso seja o seu melhor consolo. Você mantém uma aparência de quem não quer nada, mas no fundo, está sempre tramando algo. Você acha isso tudo até um tanto divertido, mas gosta de pensar no seu "trabalho" profissionalmente. Afinal, eles pegaram sua mãe. E agora eles vão pagar. Caro. Muito caro.

Mote:

"Ah, claro! Quer dizer que a BioTech está tendo relações com a máfia? Um belo furo de reportagem esse, hein? Uma megacorporação como aquela... Tsc,tsc... Digno de mim. O que? Perigoso? Ora bolas! Se eu não fizer isso, ninguém fará! E afinal, os bandidos sempre levam a pior. E eu tenho os atributos, ferramentas, coragem e tudo mais. Bem, tenho trabalho para fazer. Nos vemos depois."

Objetos pessoais e Características Físicas:

Cabelos castanhos e lisos, compridos e amarrados numa trança. Óculos charmosos de aros redondos, rosto um pouco sardento e bonitos olhos verdes. Estatura mediana, de dia roupas de trabalho simples e confortáveis, de noite, calça jeans, camisa branca e jaqueta preta. Tem um comportamento tímido e retracado, mas se provocada pode assumir a postura de uma leoa. Conversa sempre com muita naturalidade e desembaraço. Tem uma Subaru vermelha e uma Kawasaki Ninja prateada. Máquina fotográfica, minigravador, celular bem pequeno, 400 dólares e uma .38 na bolsa. Às vezes carrega um laptop de última geração. 23 anos.

local original: Grupo de notícias Mednet
nome original: desconhecido
autor(es): Moisés Andrade Júnior
tradutor(es):

 Navegação Rápida