Uma outra visão dos Eutanatos


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Eu sempre encontrei muitos conceitos errados e preconceitos sobre a tradição dos Eutanatos. Então eu presumi que tudo seria esclarecido quando o Tradition Book fosse lançado... mas infelizmente, só o que consegui foi mais "dor de cabeça".

O fato é que as crenças filosóficas dos Eutanatos nunca foram muito divulgadas no mundo Ocidental. Muitos Narradores que eu encontrei, tentaram explicar as práticas incomuns da tradição, resmungando alguma coisa de maneira muito vaga sobre as crenças orientais, e deixaram isso "no ar". Desta forma os Eutanatos começaram a ser interpretados como "versões mágikas" de vampiros Assamitas e da Casa Scathach... seguindo o gênero "discretos-mas-mortais" sem o qual nenhum jogo de ação é feito hoje em dia.

Sim, é legal jogar como o Assassino Badass que sai das Sombras, mas não podemos esquecer que estes caras são magos, com a mesma filosofia e esperança de alcançar a Ascensão das outras tradições.

Eu recentemente li uma passagem das Upanishads que ilustra a filosofia dos Eutanatos de forma muito clara, e eu comentarei ela aqui. As Upanishads, à propósito, são altamente recomendadas para qualquer um interessado em jogar com esta tradição - elas representam a mitologia Hindu e são fáceis de ler e muito inspiradoras.

No conto, Nachiketa é um filho sábio de um pai tolo, que prometeu seu próprio filho em sacrifício para a Morte. Sem se ver perturbado com isso, Nachiketa querendo livrar seu pai de sua obrigação, foi conhecer o Rei da Morte.

A Morte não estava em casa quando Nachiketa chegou; e para desculpar-se de sua falta de hospitalidade, e assim que retornou ofereceu três desejos para Nachiketa. Nachiketa desejou poder retornar à terra dos vivos, e que seu pai não lembra-se de sua morte temporária como seus primeiro e segundo desejo. A morte consentiu com os dois, e perguntou qual era o terceiro desejo:

E então Nachiketa pensou um pouco e disse:

"Quando um homem morre, existe uma dúvida: Alguns dizem que ele realmente morre; outros dizem que não. O que acontece, eu quero saber a verdade. Este é meu terceiro desejo"

"Não", repondeu a morte, "este é um mistério que só deve ser conhecido pelos deuses. Não posso te responder a verdade, e ela não é fácil de se entender. Escolha outro desejo, ó Nachiketa"

Mas Nachiketa não se deu por vencido:

"Tu disseste, ó Morte, que este é um mistério que só deve ser conhecido pelos deuses e que não é fácil de se entender. Mas com certeza não existe um professor melhor que ti para explicar isso - e não existe outro desejo igual a este."

Em resposta, tentando convencer Nachiketa, o deus repetiu:

"Peça algo sobre seus filhos e netos e outros descendentes que irão nascer por milhares de anos. Peça por gado, elefantes, cavalos, ouro. Escolha para si um reino. Ou se ti conseguires imaginar algo melhor, peça por isso - não apenas prazeres carnais, mas também poder, acima de todas as outras coisas, para tornar tua vida melhor. Sim, qualquer milagre que desejares. Feitos celestiais, beleza acima de todas, coisas que não podem ser alcançadas por mortais - se quiseres terás carruagens e músicos a te servirem, mas sobre o segredo da morte, ó Nachiketa não pergunte.

Mas Nachiketa pensou rápido e respondeu: "Estes objetos irão estragar com o tempo, ó Destruidor da Vida, e os prazeres apenas afetarão os sentidos. Guarde para ti os cavalos e carruagens, guarde contigo a dança e a música. Não, eu só desejo saber uma coisa, um único desejo - só isso desejo. Conte-me , ó Rei, o segredo supremo sem deixar dúvidas, não pedirei nenhuma outra coisa"

Então o Rei da Morte, com peso no coração, começou a contra a Nachiketa o segredo da Imortalidade

Então da próxima vez que estiver com seus ossos e bonecos voodoos lembre-se disso. Você pode estar olhando para alguém que já esteve na casa da Morte e aprendeu seus segredos; alguém que consegue ver a verdade de sua alma através das ilusões de seu corpo físico

Tenham um bom dia

local original: Anders Mage Page
nome original: Another Look at the Euthanatos
autor(es): Steven Brandt
tradutor(es): Winter

 Navegação Rápida