Nanoandróides


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Os nanoandróides são o sonho de todo o cientista. Estes andróides são feitos totalmente de nanomáquinas que funcionam como uma célula humana e até melhor. Imagine todas as melhorias ocorridas pelo implante de nanomáquinas sem os defeitos dos limites do padrão humano e você verá do que essas máquinas seriam capazes. Alguns dizem que isso é impossível, mas existem boatos de que a Tecnocracia e os Tecnomantes das tradições já teriam desenvolvido protótipos.

Esses nanoandróides seriam máquinas de matar perfeitas, poder de mutação infinito. Não sentem dor, não precisam de água e nem comida e podem se passar perfeitamente por humanos ou qualquer outra criatura, são quase indestrutíveis, entre outras coisas (É só lembrar daquele andróide de metal líquido do exterminador do futuro, mas pior).

Se for verdade que a Tecnocracia já fez um desses, qualquer mago das tradições poderia ser ele, ele possui potencial para se passar por criaturas metamórficas e seria o maior trunfo na Guerra da Ascensão que na minha opinião ainda não acabou.

local original: Page of Mirrors
nome original: Nanoandróides
autor(es): Alan Bezerra de Carvalho
tradutor(es):

 Navegação Rápida