Figuras Notáveis 


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Lucio Dandolo (1327-1713): O descendente menor de uma família patrícia em Veneza, Lucio entrou para o aprendizado na Casa Hermética Verditus. Ele passou quase um século lá aperfeiçoando sua Arte antes de desertar para a guilda dos Artesãos Forjadores. Seus instrumentos, baseados em teorias de filosofia natural recém emergentes, ganharam fama por toda a Ordem da Razão e pelo Conselho das Nove Tradições. Seu passado o encurralou no começo do século XVIII, quando o Arquimago Flambeau Ardentia assassinou o "infame traidor" na estrada para Milão. Ironicamente, muitos magos Tradicionais agora buscam os aparelhos de Dandolo como armas contra a Tecnocracia, pois elas permanecem incomparáveis em poder e elegância, mesmo que elas não combinem mais perfeitamente com a realidade estática. A Iteração X tem seus colecionadores, como também um museu em Autoctonia. 

Brice "Nads-de-Couro"Hill (1971-??): Antes de desaparecer em 1989, "Nads-de-Couro" tinha ganhado uma reputação como o mais formidável assassino de Desvios da Realidade da Iteração X. Ele mesmo proclamou ter pessoalmente destruído mais de 63 DRs, incluindo 6 Nefandi, 3 Desauridos, 8 Magos Tradicionais, uma matilha de lobisomens, os fomori que eles estavam combatendo, 7 vampiros, 2 Antigos e 4 "outros" não identificados. Ele foi visto pela última vez descarregando uma metralhadora de cartuchos de urânio-neutralizado contra a manifestação do Paradoxo chamada Wrinkle, e desde então ele se tornou alvo de muitas baladas populares entre os Iteradores (escritas em código C rimado, ou, para tirar sarro, em Pascal) que sugerem que ele um dia voltará de um Reino Paradoxo carregando a cabeça de Wrinkle. Mentes mais sóbrias, contudo, insistem que Wrinkle simplesmente aniquilou Hill num show de tristeza não característico. 

A Matriarca - Esta estranha criatura é meio-humana, meio-computador. Quando a equipe de construção estabeleceu as fundações do reino prisão de MECHA no começo dos anos 60, ela decidiu que o enorme Constructo precisava de alguma coisa maior do que um humano para monitorá-lo. Os boatos são de que duas irmãs Tecnocratas foram escolhidas, suas mentes foram escaneadas e a combinação das duas foi usada como um modelo para uma máquina de inteligência massiva. Essa máquina, a Matriarca, agora monitora MECHA com um olhar severo (ou com um sensor visual). Quando ela escolhe demonstrar uma imagem, ela se manifesta como uma mulher magra , de meia idade com um coque no cabelo meio Vitoriano. Alguns dizem que ela também cruza a Teia Digital numa variedade de simulações. 

local original: White-wolf
nome original: Technocracy Guide
autor(es): desconhecido
tradutor(es): Dr. Orlando

 Navegação Rápida