Introdução: 
O significado do Decaido


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Era difícil andar por aqueles corredores. Tantas lembranças se prendiam aquelas fotos que talvez uma parede inteira delas não fosse o suficiente para fazer com que esquecesse. O seu antigo quarto ainda estava da forma que havia deixado. Intacto ele não havia mudado nada desde a última vez que saiu dele. Os cobertores ainda estavam jogados no canto da cama. Enquanto seu antigo material escolar se estendia sobre o colchão. Todo o local parecia assombrado por fantasmas do passado. Lucy ainda podia escutar o que sua Irmã conversava pelo telefone no quarto ao lado na noite em que partiu. Ela conseguia imaginar ela batendo na sua porta só para terminar descobrindo que tinha ido embora. Quantas vezes ela não teve vontade de voltar para casa? Ela sempre havia imaginado como seria encontrá-la novamente. Assim como encontrar Melissa... E definitivamente não era nada parecido com o que estava acontecendo.

Se Sonho estivesse falando a verdade ela teria que voltar a enfrentar Tell. Ela teria que voltar a olhar seus olhos...Aqueles doces olhos castanhos que um dia fizeram-na largar sua Melissa e se perder dentro de seu labirinto de promessas. Ela ainda sente a respiração dele perto de seu ouvido durante as noites. Ela ainda sente a mão dele sob sua nuca nas noites frias, seus lábios... E principalmente suas palavras. Talvez fosse melhor nunca ter ouvido-as tudo era bem mais simples.

Não era verdade...tudo era tão complicado, tão cheio de mistérios. ela ainda via beleza fora das sombras. Tell havia lhe mostrado o vazio dela. Ela ainda se arrepende de ter falado sim naquela noite, ainda se arrepende de ter deixado leva-la. Talvez hoje ela fosse sua discípula se não fosse por Agnessa. Se sonho estivesse falando a verdade tudo seria bem pior então. Ela teria que olhar novamente no abismo. Ela voltaria a sentir seu toque e se ela não resistisse dessa vez tudo estaria perdido. Ela precisava proteger sua irmã. Ela sabia que o decaído tinha mais truques que um belo sorriso. Ela sabia que mesmo suas palavras eram difíceis de negar. E ela sabia o quanto o abismo havia respondido das vezes que ela chamou.

Mago é um jogo épico. Seus protagonistas são heróis que lutam para afirmar sua própria existência. Eles trilham o caminho do bom combate, colocando em jogo sua vida e suas almas apenas para poder gritar para o céu e o mundo “Eu Existo!”. As crenças são as armas destes bravos heróis, sua confiança em ideais e na cultura de seu povo serve de ferramenta para soltar as amarras que prendem a um destino vago e fixo. Nenhum mago deixa que o mundo cale sua voz, eles gritam mesmo contra as regras, e com o suor e sangue que derramam abrem caminho em meio as ondas da estática humanidade. Contra todas as probabilidades eles prosperam, sem nunca se entregar enfrentam os que se opõe ao seu direito de viver. Sejam tecnocratas ou tradicionalistas,os magis pavimentam o caminho do futuro. Percorrendo trilhas nunca antes exploradas e tornando-as seguras para que seus irmãos adormecidos cruzem-nas o mago é o guardião de seu irmão. Desde o início dos tempo a sociedade mundana prospera sob as asas dos despertos. De bom grado os magos se sacrificam para que o céu não desabe sobre a cabeça dos que não tem como se defender. Adormecidos andam totalmente alheios aos perigos que se escondem atrás das portas de suas casa. Eles confiam no mundo que lhes é apresentado. E cabe ao desperto, artífice da vontade e criador dos desejos da coletividade, o trabalho de criar um ambiente apropriado para o desenvolvimento da raça humana. Os magos são os sábios e os guerreiros. Pastores e defensores eles conduzem o mundo a um renascer infinito em direção a perfeição. Eles descartam o velho dando o lugar ao novo, travam lutas para poder sempre oferecer o melhor as massas. E em sua ascensão desejam a ascensão dos que estão ao seu lado. Enquanto o mago luta ainda existirá esperança. Enquanto a mente desperta cruzar os confins do infinito tornando o impossível possível.e o inacreditável aceitável e racional ainda haverá esperança para esse mundo.

Como ícone, a evolução individual do mago representa a evolução individual do mundo. Aqueles que andam pelo caminho da iluminação trazem consigo o ideal de toda a sociedade, e em suas mãos carregam o poder de dispersar as sombras do mundo com a Luz que alcançarem. O Mago é a epítome encarnada do desejo humano intrínseco de viver. O mago é a libido e o instinto de sobrevivência e quando proclama “eu Existo!” faz com que também exista o mundo, e mantém os portões fechados para aqueles que gostariam de destruir sua obra e a obra humana. O mundo é mágiko e seu coração com toda certeza é desperto.

Mas o mago não é perfeito. Ele acima de tudo é humano e erra...  Apesar de ser desperto o mago enfrenta os problemas dos adormecidos. Sua tarefa não é mais fácil, ela apenas torna-se mais pesada. A cada dia em que trilha o caminho ele sente o peso sobre suas costas aumentar. Os riscos são grandes. Ele não pode deixar a sua própria luz cegar-lhe nem pode deixar que o medo da escuridão lhe paralise. É uma jornada difícil em que o indivíduo enfrentará seus medos e desejos, tendo que, para tornar-se a representação perfeita de seu irmão, passar por cima de si mesmo, sem nunca deixar de ser o que é. Sem nunca esquecer suas origens e principalmente sem nunca largar a humanidade. A sua ou a humanidade que ele representa ao reger o mundo que lhe foi confiado. Não são todos os magos que conseguem. Muitos caem, se estagnam ou não suportam o fardo. Muitos não se consideram bons o suficiente e muitos se deixam levar pelas ondas que tem que transpassar.

Mas os piores de todos são os que dançam a espiral. Os magos que largam a trilha que seguem e se arremessam do caminho em direção a espiral descendente que leva as sombras. Estes são os que viram o mundo por fora e, sem agüentar contradizem o seu significado. Eles deixam de ser humanos se rendendo a forças maiores e ao largar mundo perdem o sentido. Seus corações despertos negam a própria existência e procuram anular tudo o que tocam. Estes são os decaídos. E para entende-los é preciso entender a natureza do vácuo....entender o nada que define as suas existências, e, mergulhando em seu abismo sombrio, compreender as interações que o nada pode causar à mente humana.

local original: Page of Mirrors
nome original: Nefandi
autor(es): Kaworu Naguisa
tradutor(es):

 Navegação Rápida