Os Processos que levam a Decadência 


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


 

Olhe para o abismo e ele olha de volta para você”. Assim se resume a criação destes decaídos. A força que move sua legião é simples, o nada e a destruição, estão mais perto que qualquer mago pode imaginar. Eles rondam constantemente os despertos procurando a oportunidade certa, quase como uma força consciente.

O processo de decadência e degeneração é um dos fatores mais constantes e talvez uma força equilibrante no universo. Os magos explicam o mundo metafisicamente através de três princípios dominantes. Tudo no mundo é afetado por estes poderes básicos em sua criação e destruição. O dinamismo, a estase e a entropia são o eterno ciclo pelo qual tudo passa e é processado. Cada principio gravitando e influenciando o mundo de formas iguais cria uma espécie de equilíbrio dinâmico. As criações dinâmicas se encaixam num modelo estático que é aprimorado entropicamente, gerando um ciclo de criação e destruição que trabalha para manter o mundo prosseguindo numa evolução infinita. Esses princípios podem ser facilmente exemplificados dentro de uma cadeia evolucionária onde mutações genéticas desenvolvem espécies que são testadas por seleção natural onde apenas as espécies mais adaptada podem permanecer, equilibrando assim o cenário. O conceito dinâmico é equivalente aos genes sempre em mutação, enquanto a reprodução repetitiva destas mutações gera espécies que encarnam o processo Estático, terminando por serem selecionadas entropicamente. Como todas as criaturas os magos são afetados por esse ciclo e, de certa forma, são ainda mais vulneráveis. Os magos moldam a realidade, por isso o equilíbrio deles deve ser perfeito para que suas criações não venham a desequilibrar todo o mundo. A ressonância é o exemplo perfeito desse equilíbrio em desenvolvimento, onde, conforme os magos gravitam mais próximos de um principio, se vêem mais alterados por ele. Todas as facções mágikas podem ser classificadas de acordo com o princípio dominante dentro de suas fileiras. Os tecnocratas encarnam o lado estático enquanto os desauridos são dinâmicos. As tradições são um organismo balançado que gravita em meio ao ciclo tendendo para os lados incidentemente, mas nunca de forma permanente, por último, obviamente, os nefandi encarnam o ciclo entrópico. Os decaídos normalmente são magos destrutivos e apresentam ressonâncias igualmente perniciosas, mas os Nefandi verdadeiros são diferentes. Indo a extremos dentro do ciclo eles se vêem consumidos por seu papel metafísico sendo compelidos pela própria entropia.

O desequilíbrio desses nefandi beira uma espécie de silêncio. Sua entropia é tão forte que uma estranha forma de Iluminação é criada. A entropia, teorizam muitos, é na verdade uma forma indistinguível de dinamismo e estase, onde tudo se conecta tão intimamente e muda de forma tão aleatória que é impossível se definir qualquer forma ou finalidade. Essa indistinguibilidade é o que consome esse decaídos. Eles se encontraram tão fortemente com o caos entrópico que se viram indistinguíveis a ele, sendo nada mais que uma extensão de sua vontade.

O renascer desses nefandi é um ato de desequilíbrio. Magos orbitam tão próximos ao princípio entrópico que, como um corpo que entra dentro do campo de gravidade de um planeta, são dragados por esse princípio. Estudantes com um acúmulo muito grande de ressonância simplesmente começam a ter seu padrão interior e seu próprio avatar distorcidos a um ponto quase irrecuperável. Os perigos do Jhor são maiores que muitos pensam, ao contrário do sadismo e do fascínio pela morte, essa forma de ressonância se manifesta mais profundamente -  como um câncer na própria alma do magi. Ele se inicia normalmente após um desequilíbrio mental ou espiritual: Deixando-se levar por sensações inferiores de depressão e ódio o mago acaba por gerando ressonância profunda que, aos poucos pode se acumular de formas inquietantes na psique. Um mero aborrecimento não é algo capaz de causar danos, mesmo uma depressão profunda não é motivo de decadência, mas uma falha em uma busca ou um trauma muito grande pode levar um mago muito além dos limites de uma mente normal. O perigo da verdadeira decadência está nos detalhes, o que torna ela ainda mais perigosa. Ela não ocorre de fora para dentro, como na maioria dos casos de sedução nefândica, ela se prolifera à partir do próprio mago e culmina com uma aceitação consciente de sua condição descendente.

local original: Page of Mirrors
nome original: Nefandi
autor(es): Kaworu Naguisa
tradutor(es):

 Navegação Rápida