Casa Shaea


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Nomes: Shaea, Serket, Sesmu, Seshat, Casa de Seshati, Casa da Lua Crescente

Ambas a mais nova e mais velha casa , Shaea abraça muitas oposições. Sua história se estende ao antigo culto a Thot. Dentro da Ordem, O fundador do Culto,Djhowtey, rouba toda a atenção , porém um outro grupo interessante foi por muito tempo ignorado: O culto de Seshat, mulher de Djhowtey e deusa da escrita. Dois mil anos antes da era moderna, A literatura Kemita venerava ela como "aquela que é a primeira na casa do livros." Hoje a sua casa, composta principalmente por mulheres, continua sua missão. 

Os Seshat realizam uma negligenciada porém vital (e subtamente poderosa) função: Eles são os historiadores da Ordem, guardiões da escrita como forma de Mágika, logos, criações, civilizações e conhecimento. Fluente em todas as maiores línguas, mortas e vivas, em todos os dialetos, todas as escrituras, eles mantém registros, fazem livros, criam pergaminhos. E mais importante, os Seshati são mestres na Língua secreta da Ordem: o Enoquiano. 

O culto a Seshati cresceu em uma religião chamada Seshetat que se espalhou a oeste e noroeste do antigo Egito. Após a chegada do cristianismo, Seshetat se encolheu em uma ordem mística arcana, os Seshati, baseados no Egito, áfrica do norte e Turquia. Nos séculos seguintes eles ensinaram literatura em muitas culturas diferentes e escreveram Estórias ocultas influentes. 

Durante as cruzadas e as posteriores caçadas as bruxas, os Seshati foram perseguidos quase a extinção por Cristãos e Mouros. Procurando por proteção, a Grande sacerdotiza Fátima Baijani de Sesmu requisitou afiliação a ordem (1412). O conselho garantiu proteção aos Seshati dentro da Ex Miscellania, mas o relacionamento foi notavelmente inamistoso até 1982, quando eles resolveram finalmente romper com a Ordem. Muitos herméticos influentes,porém , haviam se tornado dependentes da Lua Crescente devido a sua habilidade lingüística e pesquisa histórica. Para proteger estes recursos, a Ordem formalmente ofereceu aos seshati uma posição como Casa completa. Um movimento que enfureceu muitas outras casas dentro da ex-miscellania e continua como ponto de discussões até hoje. Os Seshati obviamente aceitaram; o nome da casa, shaea, deriva de um termo do antigo Egito que significa "auspicioso". 

Shaea é mais místika e secreta que muitas outas casas, e dentro da Ordem isso significa muita coisa. Historicamente, Seshati tem raramente se juntado a outras cabalas fora de seus próprios grupos. Essa insularidade, incentivada pelo desrespeito alheio por escribas e principalmente por mulheres, tem diminuído recentemente. Nos dias atuais, shaea aventureiros tem se juntado a cabalas mistas entre casa e mesmo entre tradições, supostamente para coletar informação, porém mais para aproveitar os ensinamentos aprendidos com o estudo.

Filosofia: Os Shaea valorizam várias polaridades: intuição e Razão, o Passivo e o Agressivo. Para um Seshati, a única maneira de entender as polaridades da Telluriam é entender ele mesmo como parte delas, como uma ligação que ela pode seguir até o poder dos deuses. Desse modo, o nome de um Seshati é derivado do nome de um dos muitos nomes de deus; apenas aqueles que ascenderam conhecem todos os nomes verdadeiros de deus.

Estilo: Com seu toque egípicio, A mágika da Casa Shaea enfatiza os nomes e encantamentos, normalmente ditas em Linguagem faraônica antiga ou em enoquiano. A palavra de um mago da Linguagem descreve ele mesmo, a essência de seu avatar. Ela torna-se seu nome ou um dele: com experiência ele descobre outros nomes, dos quais ele deriva por der mágikp. Como o deus Khepera relata nos papiros de Nesi-Amsu, "Eu proferi meu próprio nome...e assim evolui a mim mesmo fora da matéria primitiva." Shaea ocasionalmente prende o mal (os quais lês chamam pelos nomes de Tutu, Apep, Hau-ra, Hemhemti, Qetu, Amam, Saatetta, ou Sekhemhra) para fazelos servi-lo. Alguma vezes eles escrevem no ar com hieróglifos brilhantes, ou escrevem um nome em um pequeno pedaço de Veludo e o engolem, fazendo aquele nome parte deles. Jovens Seshati tem consigo vários amuletos inscritos com proteções em muitas línguas. Eles são bem conhecidos por sua afinidade com gatos , e mantém antigos pactos com os Bastet Bubasti. Em ocasiões auspiciosas, quando a lua e as estrelas estão corretamente alinhadas, os Seshati realizam cerimônias mágikas comandadas Por sua grande Sacerdotisa. Essas cerimônias envolvem proteção, agressão , iniciação e até mesmo fertilidade. Alguns ritos conjuram o próprio avatar de Seshati, que supostamente aparece como uma pantera negra de olhos reluzentes, ou então como um grande falcão.

Objetivos: Por séculos, os shaea tem odiado a Tecnocracia, a qual eles se referem como Apep, o antigo monstro egípcio. Dentro da visão dos Seshati, a tecnocracia falhou em passar as maravilhas da educação, substituindo preguiça por aprendizado. Para lutar contra Apep, esses magos encorajam a reforma das escolas ou ensinam aos adormecidos por si mesmos abrindo os olhos deles para a mágika- do aprendizado. Em sua jornada , eles tem minado os esforços tecnocratas dentro da Agencia nacional de aprendizado em Washington e na Agencia londrina de reformulação do aprendizado expondo escândalos- reais e criados- sobre os reeducadores da NOM instalados nos locais.

Organização: A grande Sacerdotisa- Atualmente a Arquimaga Maraksha Kashaf- guarda o Sanctum interno da Casa dos Livros (chamada de Hall of Khesef-hra-khemiu), oferece conselhos e comanda as maiores cerimônias. Os guardiões, um grupo rotativo de anciões, testa a grande Sacerdotisa toda semana atrás de sinais de corrupção; é vital que ela permaneça leal a Shaea, porque ela protege as sagradas genealogias. A Casa se reúne mensalmente para testar os Anciões. Dentro dessa casa, as atitudes a respeito de magos menos experientes é bem aberta- um ponto que outras casas deveriam notar melhor. Os anciões escutam aos magos mais jovens e levam suas preocupações para as reuniões do conselho com a Grande Sacerdotisa para serem discutidos.

Iniciação: Shaea são normalmente escolásticas que trabalham no campo das Línguas , das artes escritas e do conhecimento egípcios. O Aprendizado dura anos, os postulantes aprendem enoquiano e no mínimo outras sete línguas ( na maioria das vezes Árabe, Egípcio, Grego, Hebraico, Latim, sânscrito e Farsi). Recrutas aprendem sobre Seshat, Egito, Manutenção de Livros e coisa do tipo, e marcam a iniciação compondo um livro pessoal de Nomes, listando nomes úteis no controle de coisas e pessoas. Para estranhos, estes magos parecem sedados e sem valor; mas como qualquer hermético sabe, ninguém deve subestimar o possuidor de um nome.

local original: Tradition Book Order of Hermes
nome original: desconhecido
autor(es): desconhecido
tradutor(es): Kaworu Naguisa

 Navegação Rápida