Ahl-i-Batin


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


"Agora estamos fragmentados, nossas almas tão espalhadas e dispersas quanto as cinzas do Monte Qaf. Uma parede amarga se ergueu entre o Conselho e o nosso estado atual, e mesmo assim, algum dia poderemos reunir as cinzas e expulsar os invasores de nossas terras. A fé, a Visão e o Segredo são nossos. Para aqueles que se tornam nossos amigos, somos a brisa, o oásis, o aperto de mão. Para aqueles que desafiam nossa espada, somos o sussuro do assassino e a tempestade de areia à meia-noite. Pela vontade de Alá e pela sabedoria de Khwaja al-Akbar, nós triunfaremos"

Os magos árabes que criaram o Monte Qaf são uma ordem muito antiga. Suas raízes datam dos dias que antecederam o Império Romano, quando um grupo de magos do Iêmen começaram a fazer experiências com as esferas mágika que hoje são conhecidas como Correspondência e Mente. Estes estudos e experiências resultaram em formas de telepatia que eram até então desconhecidas, mesmo para os magos mais instruídos. Por volta de 50 d.C (durante a queda do Imperador Tiberius), o Monte Qaf foi criado, mas não sem muitos acidentes. Parece que dois dos magos envolvidos no projeto visitaram a Palestina romana e contactaram um dos magos da região, e foi por meio desses que o Monte Qaf ficou conhecido pelos outros magos e por um certo tempo estes dois magos (Qadim e Abdul) mantiveram conversações telepáticas, onde trocaram muitas informações.


A Tradição dos Ahl-i-Batin é muito antiga, perdendo somente para a Ordem de Hermes. O Monte Qaf era o grande centro dos Ahl-i-Batin, onde eles colhiam informações telepaticamente, e virtualmente qualquer Ahl-i-Batin poderia ter acesso à estas informações, depois de um certo treinamento. Porém, a Tradição permaneceu muito pequena durante os séculos que se sucederam, até quando o Islã começou a invadir a Arábia. Na ocasião, por volta de 800 d.C, um grupo de Afghani Batini, necessitando de ajuda, se encontraram com alguns membros da Irmandade de Akasha, na região onde hoje é o Tibet. Este foi o verdadeiro início dos Ahl-i-Batin como uma das 9 Tradições.

Os Batini cresceram e se tornaram uma grande força entre os magos, e eram responsáveis na tentativa de unir as artes da conjuração, abjuração e adivinhação, o que mais tarde se tornaria a Esfera da Correspondência. Eles também foram conhecidos por sua reputação de furtivos; alguns dizem que os Adeptos Virtuais herdaram esta filosofia Batini, e que mudaram apenas o nome dela, agora conhecida como Hacking.

Os Batini trabalharam muito bem durante estes tempos. Mas não se davam bem com os Solificati, mas mantinham boas relações com a Ordem de Hermes. Porém por volta de 1700, uma mulher Ahl-i-Batin de nome Yasmina começou a ter relações amorosas com um velho Solificatus de nome Geraldo, e o levou até o Monte Qaf. A relação entre os dois não durou muito, Yasmina se envergonhou muito do que fez e Geraldo uniu-se a Ordem da Razão. A separação dos Solificati era inevitável, e eles conduziram-se à Ordem da Razão.

Os Ahl-i-Batin ficaram envergonhados perante as outras tradições, mas nada aconteceu com eles. A verdadeira decadência dos Ahl-i-Batin veio quando foi descoberto petróleo na Arábia e a Tecnocracia começou a investir pesado para conseguir este poder. Os Batini foram forçados a deixar os deveres do conselho pra trás e voltar para defender seu território ancestral. Desde então ninguém teve mais notícias sobre eles.

Porém, eles continuam aguardando a hora em que poderão voltar ao Conselho, quando acumularem um poder razoável pra isso. Os hackers (Adeptos) são bem vistos entre eles (por sorte, a maioria dos Batini modernos são Cristãos, e dos que são muçulmanos, nenhum é estritamente fundamentalista) e tanto o Monte Qaf quanto a Teia Virtual tem praticamente a mesma função.

Os números de magos Batini é pequeno, menos de cem. E o pior é que eles continuam sendo mal recebidos no Irã e em vários países asiáticos); localizam-se principalmente na Arábia e no sudeste da Turquia. Eles almejam recuperar o posto que ocupavam no Conselho, e até aceitam compartilhar com os Adeptos Virtuais a cadeira da Correspondênci se assim o Conselho permitir.
Os Batini acreditam que a Décima Esfera seja algo que influa diretamente no paradigma global. Eles têm muito interesse neste assunto, e gastam muito de seu tempo estudando isto. Seu maior objetivo é conseguir usar os efeitos da Correspondência sem sofrer com o Paradoxo.

Filosofia: A solução está em arquivar os fatos. Nós percebemos há muito tempo o que os Adormecidos só vieram a perceber agora: a informação é a chave de tudo. Então só é preciso saber como manuseá-la.
Esfera : Correspondência
Focos Comuns: Instrumentos Óticos, Papel, Lápis, Colares.

Estereótipo:

Irmandade de Akasha: Nós temos diferenças filosóficas, mas muito de nossa cultura descende da deles. Respeite-os, até mesmo aqueles que você não goste.
Coro Celestial: Muito conservadores. Mas se não existissem estaríamos perdidos.
Culto do Êxtase: Eles precisam de um foco.
Oradores dos Sonhos: Eles entendem que a informação é tudo, mas usam os métodos mais difíceis para adquirí-la.
Euthanatos: O ciclo que eles pregam é muito conveniente para eles. A vida não é simplesmente o que eles dizem ser.
Ordem de Hermes: Grandes homens, mas eles precisam serem iluminados. O conceito da mágika é que você não precisa seguir as regras.
Filhos do Éter: Fontes de conhecimento. Mas o amor deles pela tecnologia poderá colocá-los em certas dificuldades.
Verbena: Sangue, Sangue e Sangue. Afinal de contas, depois de tantos anos, eles continuam sendo os pagãos que sempre foram. Mas pelo menos agora, admitem isso
Adeptos da Virtualidade: O que nós fomos, eles são agora. Entretanto eles devem entender que o óculos de Realidade Virtual é o que limita seus trabalhos. Mas eles são nossos verdadeiros herdeiros.
 Os Vazios: Como alguém pode viver sem um ideal? Eles são um mistério, e nós não os entendemos.
Tecnocracia: Eles várias vezes reconheceram seus erros. Os integrantes podem ser perdoados, mas a organização deve ser desmantelada.
Nefandi: Se perdem na sua própria corrupção. Você nunca os destruirá por completo, mas eles podem destruí-lo.
Desauridos: Nós estamos trabalhando para eliminar o Paradoxo do nosso jeito, mas estes sujeitos ainda são muito perigosos.

local original: Um dos muitos sites da internet brasileira
nome original: desconhecido
autor(es): Brian Connors
tradutor(es): WH

 Navegação Rápida