Inferno


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Uma idéia para Antagonistas

Atenção

Eu não achei, mas me disseram que o texto está muito pesado,então se você é uma pessoa sensível ou se considera imaturo, por favor não continue lendo o texto abaixo. Será melhor para você, e para nós também.

A intenção desta matéria não é promover de modo algum o satanismo ou qualquer outra coisa do tipo. É apenas para aumentar o horizonte de narradores e jogadores que buscavam maiores informações sobre a corrupção humana. Antes de continuar lendo lembre-se o RPG é apenas um jogo com muita fantasia e imaginação e nada além disso!

Raciocínio

Estava cá pensando sobre Nefandi, Setitas, Wyrm e similares, principalmente levando em consideração o mail do JJ sobre Quimbanda na lista BroDar.

Me ocorre que os Nefandi querem "destruir" a realidade. Sim, eles usam e abusam da corrupção, mas o objetivo final é o niilismo absoluto, a não-existência do universo.

A Wyrm tem duas faces principais: a destruição e a corrupção. Em Mago, a destruição é personificada exemplarmente pelos Nefandi, enquanto a corrupção está em todo lugar. Em Lobisomem todos os servos da Wyrm incorporam as duas faces, mas pode-se ver a destruição mais facilmente como a Pentex, enquanto a corrupção é melhor exemplificada pelos Dançarinos da Espiral Negra. Mas a única representação da corrupção tão perfeita quanto os Nefandi representam a destruição, sem dúvida, é o clã Setita.

Será que não existe em algum lugar do vasto WoD uma sociedade secreta estilo Iluminatti, cujo objetivo principal é "corromper" a realidade? Talvez pessoas/criaturas que queiram viver em uma Terra o mais corrompida possível, por algum motivo?

A "sociedade" apresentada nesta página é uma criação minha; comentários e sugestões serão bem-vindos, e provavelmente muitos deles influenciarão a forma "final" do texto. Em particular, me ajudem a preencher os nomes dos Lordes Supremos :o) e eu também gostaria de comentários de pessoas que tenham amplos conhecimentos sobre: assunto (livros interessantes que eu conheço)

Todas as pessoas que lerem esse texto estão livres para utilizá-lo de qualquer maneira incluindo modificar, usar para jogo e distribuir para outros.

Esboço

A corrupção está em todo lugar no WoD. Na verdade, é uma das principais características do mundo. Os licantropos em geral (e alguns outros tipos de místico, como por exemplo alguns Oradores dos Sonhos) vêem os arautos da corrupção como servos da Wyrm, e de certa forma estão corretos, mas a verdade é muito mais assustadora.

A corrupção afasta pessoas de seus plenos potenciais; em troca de dinheiro, poder, luxúria, comodismo, ódio, fanatismo ou diversas outras ferramentas, a pessoa abre mão de suas verdadeiras aspirações e ideais. Sendo afastadas de seus plenos potenciais, as pessoas são afastadas do verdadeiro poder do WoD (Gaia no caso dos Garou, Ascenção no caso dos magos, por exemplo).

Esse afastamento do verdadeiro poder permite que essas pessoas sejam mais facilmente manipuladas. Por isso, muito tempo atrás, um grupo de indivíduos percebeu o potencial que havia nisso, e decidiu se unir para explorá-lo.

Esse grupo era muito heterogêneo, composto de seres que já lidavam com a corrupção antes; uma seita de vampiros Setitas, um punhado de Cappadocians, e alguns de outros clãs, mais alguns magos, faes, muitos espíritos umbrais e muitos, mas muitos mortais, que se organizaram como uma rede de acólitos. A organização formada nessa ocasião tinha um nome, que se perdeu no tempo.

Com o passar dos séculos, muitos desses acólitos foram morrendo,e um número crescente desses ia parar no plano dos espíritos sem descanso, se tornando fantasmas (wraiths). Esses fantasmas criaram uma organização para si mesmos, com o mesmo grau de segredo com que já estavam acostumados a operar na Terra, e mais tarde acabaram por integrar essa "divisão" à organização principal.

Mais tarde, com a disseminação do cristianismo, um reino umbral se formou refletindo a concepção cristã de inferno ("onde haverá choro e ranger de dentes"), e essa organização se apossou prontamente desse reino através de seus membros dentro dos altos escalões da umbra; um desses membros, Ahriman, conhecido com o "senhor da corrupção", foi nomeado administrador do inferno e passa a ser considerado um Celestino aproximadamente nessa época. De uma maneira informal, ele é considerado uma espécie de líder da organização (veja "organização", abaixo).

Finalmente, no decorrer da idade média, a organização conseguiu se infiltrar na própria Igreja; nesse período seus mais influentes membros (equivalentes aos atuais Mestres) se reuniram e decidiram mudar o nome da organização para Inferno. [Daqui pra frente vou usar I maiúsculo pra me referir à organização, e minúsculo para o reino umbral.]

Essa organização é tão secreta que a maioria dos seres do WoD não tem noção de sua existência, apesar que os poucos Ventrue que fazem parte dela especulam se não seria esta a verdade sobre os misteriosos "mestres secretos" com os quais Caim teria sonhado.

O Inferno não é mais uma organização secreta que planeja dominar o mundo; na verdade, o Inferno já domina o WoD desde meados da Idade Média. Seu domínio estava quase consolidado no final do Império Romano, mas encontraram uma resistência poderosa e tiveram que se reestruturar (especula-se que talvez o fato de alguns vampiros, magos e licantropos terem descoberto a existência da entidade naquela época seja a verdadeira razão por trás da mudança do nome, para que essas criaturas pensassem que a organização foi extinta).

Isso não significa que eles controlem o destino de cada pessoa no mundo; eles controlam o mundo de uma maneira geral, com agentes infiltrados em cada uma das entidades que controlam o destino do mundo - Camarilla, Giovanni, Pentex, Tecnocracia, Igrejas em geral, ONU, governos, e muitas outras. No entanto, estão constantemente lutando para expandir seu controle até atingir cada pessoa, transformando definitivamente o mundo no lugar mais corrompido possível, onde seu poder seria absoluto.

Organização

No nível mais baixo do Inferno estão os "servos", que compõe a maioria de seus membros e cerca de (pelo menos) 10% da população do planeta. São pessoas que não sabem da existência do Inferno, mas foram corrompidas por um membro de nível superior, estando efetivamente sobre o controle desse membro (mesmo que frequentemente não saibam disso). Esse status, além de muitos mortais, inclui também criaturas sobrenaturais, como por exemplo grande parte dos Setitas e Dançarinos da Espiral Negra, e um número assustador de Tecnocratas. Alguns servos são controlados por mais de um membro, de Falanges diferentes, para assegurar a dominação (como uma espécie de "backup") - veja "Falanges", abaixo, para entender como.

Dentro dos membros "propriamente ditos", o status mais baixo é o de "acólito". Um acólito é alguém que não possui nenhum tipo de poder sobrenatural, ou um fantasma muito pouco poderoso; eles são escolhidos entre os servos principalmente com base em seu potencial para corromper outras pessoas e controlá-las através desse elo, e mais secundariamente tendo em vista o potencial para adquirir algum poder no futuro. Um acólito já tem que pertencer necessariamente a pelo menos uma Falange.

Por não ter nenhum poder sobrenatural, os acólitos são controlados pelos Mestres através de uma relação de dependência, sentindo que precisam da organização para terem poder (Falange de Lúcifer).

Ao próximo status é dado o título de "Jogador", pois são os verdadeiros beneficiários de todo o esquema (os níveis acima têm mais obrigações que benefícios). Cada um deles, além de seu próprio poder (os menos poderosos entre eles são Magos Limitados), possui um leque de milhares de pessoas controladas direta ou indiretamente, que resulta em domínio quase absoluto sobre uma determinada região geográfica ou domínio abstrato (como o mercado de automóveis de um determinado país, por exemplo)

Os Jogadores raramente têm divergências graves entre si, pois uma das atribuições dos Mestres é impedir que isso aconteça - e os métodos mais apreciados são a destruição de todos os envolvidos ou banimento por tempo indeterminado no inferno. Por isso, eles frequentemente promovem disputas limitadas chamados "jogos", muitas vezes para resolver divergências leves antes que elas se tornem sérias, outras apenas por diversão. Nessas disputas, cada um "aposta" uma determinada esfera de influência (desde que ambos concordem que as duas esferas apostadas têm o mesmo valor) e o Jogo consiste em tomar ou destuir o controle que o outro possui sobre essa esfera. Os Mestres consideram os Jogos uma prática "saudável", pois os servos, acólitos e peões que forem envolvidos frequentemente acabam sendo levados a novos patamares de corrupção ou poder pessoal.

Acima dos Jogadores pairam os Mestres, um seleto grupo de menos de mil pessoas (há quem diga que são 600, 10 para cada Lorde) que os Lordes escolhem entre os Jogadores e incumbem de controlar os acólitos, impedir que os Jogadores destruam o Inferno com suas disputas, e definir os rumos da organização em geral. Cada um deles possui um poder imenso dentro de uma determinada área (um continente, ou o mercado de automóveis ou informática mundial, ou igrejas cristãs em geral...).

Efetivamente "puxando os cordões" do mundo ficam os Lordes, dez membros escolhidos por cada Lorde Supremo como os maiores expoentes daquela Falange.

Se um dos Lordes Supremos considera um Mestre digno de ser promovido a Lorde de sua Falange, mesmo que seja um Mestre de outra Falange, mas não tem uma vaga disponível, pode conceder a ele o título honorífico de "Grande Mestre". Esse título estimula a traição e desconfiança entre os Mestres e Lordes - um Grande Mestre sabe que, se um Lorde da respectiva Falange cair, ele será um nome provável para o cargo - desde que cuide primeiro da concorrência, os outros Grandes Lordes da mesma Falange. O título também é concedido a membros que já são Lordes de uma outra Falange; alguém que seja Lorde de uma Falange e Grande Mestre de outras duas terá um imenso prestígio dentro do Inferno, pois sua capacidade com três Falanges foi reconhecida pelos mais altos escalões. Essas pessoas ostentam títulos como "Fulano de Tal, Lorde da Luxúria, Grande Mestre do Poder e do Ódio".

Um indivíduo que seja Lorde de uma Falange e Grande Mestre das outras cinco pode usar o título honorífico de Alto Lorde do Inferno. Os poucos Altos Lordes que existem (cinco, digamos) desfrutam de prestígio comparável ao dos Lordes Supremos.

Finalmente, controlando toda a estrutura de cada Falange está um espírito umbral; veja "Falanges" abaixo para os detalhes. Os seis espíritos são chamados Lordes Supremos, e respondem informalmente ao celestino Ahriman.

Demônios e Anjos Caídos

A WW deixa as coisas um tanto quanto abertas em relação a demônios, para que o Narrador preencha com suas próprias visões, mesmo no pouco que fala deles no Book of Madness. Minha visão é que existem vários tipos de demônio, na verdade criaturas sem nenhuma relação umas com as outras, com seus próprios objetivos, todas classificadas sob o rótulo genérico de "demônio" - de forma que não é impossível que os demônios que eu descrevi em um artigo antigo (agora disponível na Bloody Page) coexistam com os misteriosos mestres dos Nefandi. O Sorcerers Cruzade também tende a descrever demônios de uma maneira bem mais tradicional, diferente da abordagem "lovercraftiana" do Book of Madness. Uma classificação a grosso:

Um Hermético provavelmente diria que existem 9 tipos gerais de demônios, e associaria cada um a um planeta - chamaria o tipo 4 acima de "demônios mercurianos", os 3 de "marcianos" e os 4 de "plutonianos", por exemplo.

Bem, se demônios corruptores são espíritos umbrais devotados à corrupção, então os mais poderosos que existissem na época da formação do Inferno provavelmente estariam presentes àquela reunião, incluindo Ahriman, que se tornaria o "Rei" do grupo. Esses mais antigos provavelmente "recrutariam" mais novos, ou no caso dos menos promissores, apenas os manipulariam (como servos).

Além disso, um dia (já na era cristã) uma criatura chamada Lúcifer pediu "asilo" ao Inferno. Ele alegava ser o líder de um exército de anjos que se rebelou contra o Criador do universo, porque Ele prometera a Terra a eles e mais tarde mudou de idéia, dando a Terra aos mortais. Essa história gerou controvérsias sem fim, mesmo porque muitos membros são pagãos, mas hoje em dia os Anjos Caídos são aceitos no Inferno e chamados por esse nome mesmo pelos que nunca acreditaram em anjos. Para todos os efeitos, um Anjo Caído é um espírito muito poderoso (graus variáveis, mas apenas Lúcifer chega ao nível de Incarna), com a aparência de um humano fisicamente perfeito, e marcas nas costas onde suas asas teriam sido arrancadas.

Falanges

Existem diversas formas de corrupção, diversas ferramentas que podem ser usadas para afastar alguém do verdadeiro poder. Com o passar do tempo, os membros do Inferno (que precisavam necessariamente estudar essas ferramentas a fundo) as classificaram em seis grupos, e eles próprios começaram a se organizar de acordo com os grupos que preferiam usar - a

princípio para facilitar os estudos, mais tarde como ferramenta de organização. Esses grupos são chamados Falanges, e cada Falange tem um líder supremo dentro do Inferno - um Incarna que incorpora cada conceito, chamado Lorde Supremo.

A Falange de Lúcifer

Ferramentas: Poder, ambição
Lorde Supremo: Lúcifer, o Anjo Caído; sua aparência é indistinguível da de um mortal, exceto por sua incrível beleza (Aparência 6) e pelas cicatrizes nas costas onde suas asas foram arrancadas. O único Lorde Supremo que não é um Incarna. Veja a seção "Demônios e Anjos Caídos" acima.
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres do Poder", Lordes são "Lordes do Poder" e assim por diante.
Principais peões, servos e acólitos: vampiros, magos (de todos os tipos, principalmente Tecnocratas), políticos e pessoas de negócios

A Falange de Baelzebub
Ferramentas
: Comodismo, luxo, preguiça, conformismo
Lorde Supremo: Baelzebub, o Senhor das Moscas; sua aparência é a de um homem imensamente gordo (aparentemente incapaz de se levantar), de olhar entediado e cercado de moscas.
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres da Estagnação", e assim por diante. Principais peões, servos e acólitos: milionários, Tecnocratas, Autumn People

A Falange de Babylon
Ferramentas
: Luxúria, gula e outros prazeres físicos
Lorde Supremo: Babylon, a Senhora do Prazer; sua aparência é a de uma jovem nua de beleza indescritível (Aparência 10, Sex Appeal 10), frequentemtente acompanhada por um ou mais amantes (quase sempre membros do Inferno). [Nota: além da cidade, há uma figura mitológica chamada Babylon, não consegui entender direito a origem, mas realmente essa Lorde precisa de um nome melhor ;-) eu queria um deus da luxúria, no mau sentido, de alguma mitologia, mas o melhor que apareceu foi Tlazoltéotl, uma asteca, que apesar de encaixar quase exato é obscura demais para usar aqui. Também me lembro de Triskele, a rainha dos Súcubus segundo um gibi velho do John Constantine, mas ela seria na minha opinião um Lorde da Luxúria, e não o Lorde Supremo]
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres da Luxúria", e assim por diante.

A Falange de
Ferramentas:
Fanatismo
Lorde Supremo: [alguém tem alguma idéia?]
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres do Fanatismo", e assim por diante.
Principais peões, servos e acólitos: líderes de religiões, militares, magos, Garou - de fato, é a maneira mais fácil de corromper um Garou

A Falange de Satã
Ferramentas
: Ódio, vingança, medo (daquele tipo que não se admite que é medo e se disfarça como ódio ou preconceito), preconceito
Lorde Supremo: Satã, o Senhor das Mentiras; sua aparência é aquela que a maioria da população associa a um demônio - formahumana, pele vermelha, chifres, olhos de serpente, cauda e pés de bode.
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres do Ódio", e assim por diante.
Principais peões, servos e acólitos: estão em todo lugar, até mesmo entre os Garou

A Falange de Mefistófeles
Ferramentas
: qualquer outra
Lorde Supremo: Mefistopheles, o Senhor das Sombras; sua aparência é a de uma pessoa comum; seus atributos, no entanto, incluiriam Manipulação 8 e Lábia 10.
Títulos: os Mestres dessa Falange se intitulam "Mestres da Corrupção", e assim por diante.

local original: um dos muitos site da internet brasileira
nome original: Inferno
autor(es): Lalo Martins
tradutor(es):

 Navegação Rápida