Paradigma e as Tradições


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Os Tradicionalistas raramente entram em discussões onde eles abertamente dizem "é meu paradigma pensar X, Y e Z sobre magia". Para os próprios magos, o conceito de paradigma nem sempre é óbvio - eles simplesmente sabem no que acreditam, e o porquê eles acham que isso funciona. Eles podem nem reconhecer o termo "paradigma" em si, dependendo de seus antecedentes, embora eles ainda possuam uma teoria do porquê sua magia funciona. Os debates envolvem os pontos menores de crenças metafísicas discordantes, e podem ficar bem calorosos - ninguém gosta de ouvir que está fundamentalmente errado; particularmente quando sabe que está certo. Esses tipos de discussões costumam ser os equivalentes metafísicos dos debates do mundo real envolvendo aborto, religião, posse de armas e relações raciais.

Apesar disso, uma terminologia especialmente informal para paradigma existe entre os Tradicionalistas, algo parecido com o jeito do conceito inter-Tradição das Esferas. Os colegas costumam dizer que individualmente os magos possuem um paradigma "superficial", "raso", "forte", ou "profundo". Essas expressões existem como sabedoria comum, ao invés de algo codificado e padronizado com o passar dos séculos. Uma discussão sobre cada tipo se segue:

Superficial

O paradigma está diretamente ligado aos elementos do universo, e neste estágio de desenvolvimento do paradigma, isso é ainda mais evidente. Com um paradigma superficial, a magia costuma ser vista como pouco mais que uma ferramenta para ser usada através da aplicação das Esferas. Há pouca complicação ou segredos no ponto de vista do mago - o que você vê é normalmente o que você tem. Este tipo de paradigma é encontrado com mais freqüência entre os magos recém Despertos e outros sem uma compreensão desenvolvida das questões místicas. Também é um ponto de vista comum entre os artífices-da-vontade com uma visão simplista do mundo, aqueles que perderam sua convicção sobre um propósito universal, e magos com o que alguns chamariam de visão ingenuamente otimista do mundo. Tradicionalistas idosos normalmente dizem que magos que usam magia dessa forma "nem arranharam a superfície da iluminação", que é a origem do termo.

Raso

Alguns magos simplesmente não tiveram a chance de pensar muito no porquê eles sabem o que sabem, ou não se importaram. Esses magos contam com certas ferramentas e práticas e podem ser capazes de dar uma explicação apropriada delas, mas a verdadeira profundidade de pensamento ainda não está por trás dela. O mago é bem parecido com um estudante iniciante de alguma ciência: Capaz de trabalhar algumas equações, habilidoso em algumas manipulações, talvez capaz de recitar algumas leis, mas ainda confuso com as evidências por trás delas ou com o significado mais profundo das teorias. O mago sabe o que ele sabe, mas nem sempre pode explicar o porquê.

Forte

A maioria dos magos de Tradição possui uma boa quantidade de experiências metafísicas nas costas e uma compreensão firme dos elementos contrastantes do mundo Desperto. Dizem que eles possuem um "paradigma forte" porque eles passaram pelo menos um bom tempo testando teorias, ampliando os limites e descobrindo suas próprias limitações. Idade e experiência não são necessariamente obrigatórias: um mago recém-Desperto pode possuir uma compreensão forte sobre sua ligação com a Tellurian, embora isso seja um acontecimento raro.

Profundo

Mais complexamente, paradigma é sinônimo do próprio personagem. Um paradigma altamente desenvolvido está tão entrelaçado com as percepções de um personagem que a crença e a realidade começam a se fundir. Aqueles poucos magos que possuem tal "conexão profunda com o universo" são raros, mas são sempre comentados em tons tingidos com um mínimo de medo e inveja. A troca é que a conexão profunda funciona pros dois lados. Por se identificar tão fortemente com seu paradigma, torna-se possível prever como um personagem reagirá a qualquer situação dada.

local original: Guide to the Traditions
nome original: desconhecido
autor(es): desconhecido
tradutor(es): Dr. Orlando

 Navegação Rápida