Cainhamé


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Essência : Dinâmico
Natureza : Arquiteto
Comportamento : Otimista
Ofício : Almas Negras

Atributos : Força 6, Destreza 7, Vigor 6
Carisma 5, Manipulação 7, Aparência 0
Percepção 6, Inteligência 7, Raciocínio 5
Habilidades : Armas Brancas (machete) 4, Arqueirismo 3, Briga 4, Consciência 6, Cosmologia 6, Cultura 3, Empatia 5, Enigmas 5, Etiqueta 2, Erudição (Demônios 5, Licantropos 4, Magos 4, Vampiros 3) Esquiva 5, Furtividade 6, Herbalismo 5, Intimidação 5, Intuição 5, Investigação 4, Lábia 7, Lingüística (dialetos indígenas) 5, Manha 5, Ocultismo 5, Prontidão 4, Sobrevivência 5

Esferas : Correspondência 4, Entropia 5, Espírito 6, Forças 5, Matéria 3, Mente 5, Primórdio 5, tempo 4, Vida 4
Antecedentes : Aliados 7, Avatar 7, Biblioteca 2, Contatos 3, Destino 5, Nodo 5, Santuário 5
Arete : 9
Quintessência : 15
Paradoxo : 10
Força de Vontade : 10

Imagem : Em sua forma real, Cainhamé é um ser pálido, dizem que é assim devido ao grande tempo que ficou preso nas sombras sem sequer poder ver um fio de luz do Sol. Ele tem o rosto deformada com vários chifres e três pares de orelhas.  Ele pode não ser muito alto mas ainda impõe respeito apenas com seu olhar.

Interpretação : Você é poderoso e não serve a ninguém, nem mesmo a seu pai. Você é a maldição encarnada e veio para destruir e provocar a perda de tudo que não considera digno. A muitos anos você planeja os ataques, quem será morto e quem serão os servos dignos. Saiba como usar as pessoas e nunca se arrependa.

História : Cainhamé é o filho de um anhanga e uma poderosa maga. É dito que sua mãe ainda está viva sendo que alguns dizem que como vampira enquanto outros falam que ela é serva de seu marido anhanga. Após ser concebido, Cainhamé foi criado por um grupo de demônios que se refugiava na terra e depois foi transformado e colocado em  meio a uma família indígena. Ele foi treinado como pajé e cresceu forte devido a parte de seu sangue demoníaco. Não demorou até se transformar em mestre das artes espirituais. Foi contatado pelos Almas Negras em 2008 aC. Devido a sua facilidade para exorcizar e controlar demônios, o Ofício, ou o grupo de magos que viria a formar o Ofício, decidiu colocá-lo em seu meio.

Durante vários séculos, ele passou a caminhar pela Umbra e contatar espíritos, descobrir cada vez mais coisas chegando a ir até os reinos mais obscuros. Alguns dizem que ele viu os aspectos mais terríveis da Wyld e da Wyrm. O poder de Cainhamé aumentou geometricamente e ele começou a destruir demônios e magos de toda parte tendo sido necessário o poder dos Mpauaima para conseguirem aprisioná-lo depois de muitos séculos de batalhas. O sangue demoníaco dele fez com que se tornasse imortal e é dito que seu pai e sua mãe ajudaram em seu aprisionamento já que consideravam que o poder havia subido à cabeça de seu filho.

Enquanto estava aprisionado, Cainhamé conseguiu usar suas magias para contatar várias pessoas. Quando os brancos vieram parar em suas terras, ele ficou ainda mais feliz pois conseguiu um povo ainda mais fácil de influenciar. Conseguiu que uma família de feiticeiros (mágicos estáticos) passasse a realizar seus planos e fez com que seus espíritos. Indicassem os modos para libertá-lo. Apenas depois de muitas gerações, ele foi libertado. Em 1980, um grupo de feiticeiros realizou um grande ritual que o libertou. Logo após usar sua magia para alimentar-se de várias almas, ele partiu para executar seus planos. Invadiu uma capela Verbena no interior de Minas Gerais e destruiu a todos os membros. Alguns sobreviventes, traumatizados e transtornados, passaram a serví-lo como loucos fanáticos, outros ainda estão sendo torturados.

Cainhamé não é um personagem normal. Ele é bem mais poderoso do que a maioria dos magos pode vir a pensar em ser. Dizem que seu poder espiritual ainda não despertou totalmente. É justamente por isso que ele sempre mantém os olhos fechados. É dito que sua mãe ainda está com seus olhos e quando ele os reaver, seu poder aumentará consideravelmente. Mesmo sem seus olhos, Cainhamé pode perceber as coisas normalmente.
Esse ser é um grande perigo para todos os magos pois ele gosta de se alimentar de avatares (alguns dizem que ele os funde aos seus). Ele mata demônios e qualquer coisa que ouse desafiá-lo. Vários espíritos e outros entes sobrenaturais estão sobre sua servidão. É dito que sua mãe está reunindo forças para prendê-lo novamente e curá-lo de sua revolta. Seu pai, um anhanga muito poderoso (alguns dizem que é Sombra-da-Terra), está começado a se irritar com o filho mas tem o usado para destruir vários inimigos

local original: Trevas do Brasil
nome original: desconhecido
autor(es): desconhecido
tradutor(es):

 Navegação Rápida