Narrando Mago para iniciantes


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Infelizmente, os RPGistas de nosso país vêm em Mago:A Ascensão um bicho de sete cabeças, enquanto, na verdade, pode ser bem simples para se lidar com iniciantes.

Isso, por dois motivos: O primeiro é que os magos são humanos com poderes sobrenaturais. Claro que não se pode fazer do "verdadeiro" mago um RPG de super-heróis, mas, quando estamos lidando com iniciantes, é bom deixar-lhes um pouco mais livres para terem os poderes que quiserem, sem apelações.O que acontece em muitos outros jogos é que as regras não são abrangentes o suficiente para tal, e o narrador acaba ficando perdido.

Aqui narrarei um passo-a-passo de como narrar para iniciantes, sem deixá-los entediados.

A primeira sessão

O passo mais importante é, sem dúvida a primeira seção. Aqui, eu assumirei que os jogadores não conhecem nada de RPG, portanto, se eles conhecerem, adapte ou pule a primeira parte.

Primeiro, é preciso dar uma definição rápida sobre o que é RPG.Seja breve, mas explique do seu jeito.A partir desse ponto, você, enquanto narrador, já está mostrando seu estilo.

Eu diria, que jogar RPG é criar um personagem, e interpretá-lo em determinadas situações.

O segundo passo, é orientar os jogadores no sentido de dar uma breve descrição do personagem que cada um interpretará. Explique-lhes,que seus personagens serão humanos com algum poder sobrenatural, e peça para que eles descrevam seu personagem e seu poder, em poucas palavras. Se houverem jogadores experientes no grupo, peça sempre a eles para que sejam os primeiros, se não houverem, talvez seja bom dar alguns exemplos, bem estereotipados, como um médium ou um gênio que faz itens tecnomágicos.Use como exemplos, personagens de filmes, desenhos e HQ's da moda.

Comece o jogo.Distorça as regras, de forma a simplificá-las.A princípio, as paradas de dados devem ser bem simples, de três dados se o personagem não é bom no que está fazendo, e seis se é, seja lá o que for a ação. E, não se assuste, personagens de iniciantes costumam, muitas vezes, estar totalmente fora de qualquer estereótipo do jogo, e suas ações são ainda mais inusitadas...

Eles vão perguntar o porque dos dados, e o que significam. Diga que é para saber se aquela ação é possível,mas, a princípio, não lhes diga o que estão rolando em termos de características, ou como o sistema funciona. Alguns descobrirão por tentativa e erro. Apenas dê os dados nas mãos dos players, peça-os para jogar, e conte os sucessos em voz alta, apontando (ou retirando da mesa) os dados que foram sucessos. Não hesite em interpretar as falhas críticas, da forma mais cômica possível, como a maioria dos mestres já está acostumado.

Os jogadores menos tímidos ou mais sonhadores, logo farão o papel de mestre e jogador ao mesmo tempo, não te deixando falar nada. Interrompa-os com um "opa" dizendo que ele deveria dizer apenas o que o seu personagem faz, não o que acontece em conseqüência disso, pois esse é o papel do mestre. Muitas vezes, demoram algumas seções para que todos entendam. Se mantenha o mais calmo que puder e explique devagar, quantas vezes forem necessárias

Se os personagens se mantiverem juntos, ótimo.Caso contrário (e é até bom, em determinados pontos), faça turnos individuais.Lembre-se que os experientes devem ser SEMPRE os primeiros em TUDO.

Sempre guarde os nomes de todos os personagens repetindo-os diversas vezes durante o jogo, e comece a reparar se se encaixam em alguma Tradição ou são Órfãos.

As próximas sessões

Siga as recomendações anteriores até que os jogadores estejam seguros do que estão fazendo, e saibam exatamente o que é um RPG, uma história e um personagem.

Depois, comece a colocar "lições" no meio dos jogos.Por exemplo, as Paradas de Dados devem continuar sendo padrões , mas você pode começar a dizer "você está fazendo um teste de Destreza + Furtividade dificuldade 8", "Essa Magika é de Forças 3 Primórdio 2, Vulgar" e frases parecidas ao entregar os dados para os jogadores.

Você pode chamar seus NPC's importantes - que devem ser variados, e bem estereotipados -como: "Fulano, o Hermético" "Tal, o Tecnocrata", etc. Você também pode parar um dia e dizer de que Tradição parecem ser os personagens. Com o tempo, os players aprenderão os conceitos por associação.

Quando já bem familiarizados, comece a parar - Ou nos momentos de descanso do grupo, ou quando não estiverem jogando, ou depois do término do jogo, e explicar conceitos como a Trindade Metafísica, Avatar, Quintessência, Hubris, etc.

Haverá uma hora, em que os players já estarão familiarizados com alguma coisa, e morrendo de vontade de ler o livro! Antes disso, só é bom mostrar para os players as partes mais essenciais do livro, como as Tradições e as Esferas.

Comece, aos poucos, a delimitar os personagens, "descobrindo" quais são seus atributos, habilidades, esferas e antecedentes. Mas, isso deve ser feito pelo mestre. Um iniciante NUNCA deve fazer uma ficha. Pode parecer simples para você, mas não será simples para ele.

Então, comece a usar as regras, e diferenciar as paradas de dados. Aqui, mesmo que os players não entendam tudo, você pode entregar para eles as fichas prontas de seus personagens, e lhes ensinar a localizar os dados ("junte essas bolinhas com essas e jogue essa quantidade de dados","Role Contatos - é um antecedente"), e ensinar-lhes o sistema dos dados caso ainda não tenham descoberto.

Para iniciar o uso das regras, no início do jogo diga: "hoje, nós vamos começar a usar a regra tal" e a explique. NUNCA, e entenda, NUNCA você deve ensinar muitas regras na mesma seção. Se for obrigado, retome as explicações delas depois.

Seus players dominam as regras básicas?

Quando eles já dominaram tudo isso, explique que você não vai mais brincar, pois eles já não são mais tão iniciantes, e começará a usar todas as regras. Dê uma cópia de uma ficha em branco a cada um deles, e lhes peça para fazerem novos personagens, a começar, como sempre, pelo conceito.

Quando todos passarem por essa etapa, escolham Tradições, essências e por aí vai, até o fim da ficha. Em todas as etapas, além de explicar tim-tim por tim-tim de para que serve tanto, pode dar sugestões condizentes com o conceito do novo personagem, ou o estilo do jogador

Como sempre, tenha paciência e jamais se canse de explicar.Bem, seguindo esses toques bastante gente aprendeu a jogar comigo, e hoje manjam mais que eu! Fui superada!

 

local original: Page of Mirrors
nome original: Narrando Mago - "A Ascensão" para iniciantes
autor(es): Verbenazinha Cayra
tradutor(es):

 Navegação Rápida