DIP


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


(Departamento de Imprensa e Propaganda)

A força da Tecnocracia no Brasil começou de verdade com a implantação do DIP, o Departamento e Imprensa e Propaganda. Antes desse órgão, a Tecnocracia tinha pouco poder e enfrentava grandes problemas com os inúmeros magos da Tradições e outros desvios da realidade. A força da Tecnocracia era concentrada na política. Foi um grande Tecnocrata brasileiro que começou o DIP por trás das sombras sob o comando do governo Getúlio Vargas. Seu nome era Adebaldo Guimarães e seu nome não é contado na história.

Adebaldo teve a idéia de montar o departamento para controlar as massas e a imprensa. Ele queria abafar todo tipo de manifestação contra o governo que vinha principalmente da parte de muitos membros do Culto do Êxtase e Ordem de Hermes além de alguns Ofícios tanto nativos do Brasil quanto vindos de fora como a Cabala do Comunhão Divina. Usando os homens do governo e o medo, ele conseguia controlar a população e capturava estes magos destruindo-os e descobrindo seus segredos através da tortura. Não foram poucos os magos a caírem nas mãos do DIP até que as Tradições descobrissem o envolvimento da Tecnocracia.

Depois da descoberta, já era tarde demais. O DIP já tinha vários Tecnocratas treinados e alguns até vieram de outros países para ajudar. Inclusive alguns que fugiam da guerra na Europa. A batalha entre as Tradições e a tecnocracia começou a ficar mais violenta. O DIP conseguia controlar a imprensa com relativo sucesso e a população estava controlada idolatrando o presidente.

Apenas em 1944 a situação começou a melhorar. Adebaldo foi assassinado e o DIP começou a perder poder sem um líder eficiente que ajudasse a mantê-lo como era. Pouco tempo depois, Getúlio Vargas foi retirado do poder. O país se tornou um grande caos sem um controle certo sobre os presidentes que vieram. A tecnocracia começou a mandar membros de outras ordens aos poucos para o Brasil.

Foi durante o golpe militar que o DIP renasceu com toda a força. Os Tecnocratas aproveitaram-se do golpe para aumentar seu poder e começaram a influenciar os humanos. O DIP começou a atuar com tanta força que as Tradições se assustaram. Até mesmo vampiros foram pegos e exterminados pelo departamento não importando se eram do Sabá ou da Camarilla. Alguns magos ainda se lembravam da época de Getúlio Vargas e resolveram atuar contra o DIP diretamente.

Muitos Tecnocratas começaram a ser assassinados na calada da noite. O DIP começou a se ocultar e agir mais sorrateiramente. Com a queda da ditadura militar, o DIP começou a influenciar de outras formas. Ele começou a afetar a população usando a televisão de um maneira bem mais forte que antes influenciando todas as grandes redes de televisão que se formavam. Quase todos os telejornais estavam sobre seu comando e até os filmes que a população assistia ainda eram selecionados.

O DIP acabou se tornando um ramo da Nova Ordem Mundial (NOM) no Brasil. É claro que existem muitos membros da NOM pelo país e eles utilizavam o DIP exatamente como seus homens de preto. O departamento ainda caça magos e qualquer agitador (como costumam chamar aqueles que provocam mudanças que não querem). Uma das provas da influência do DIP foi durante o governo Collor quando conseguiram convencer toda a população do que estava acontecendo. Usando sua influência, conseguiram retirar o presidente (que era influenciado por Nefandos). A maioria dos Nefandos ou Desauridos, não se sabe muito bem, que controlavam o governo Collor foi caçada. Sobraram apenas algumas cabalas que hoje declararam guerra contra o DIP. Essas cabalas querem influenciar a população com certas aberrações na televisão na esperança de corromper suas mentes. O DIP luta contra isso. Cabe a população decidir que tipo de aberração quer ver, as anunciadas pelo DIP ou pelos Nefandos e Desauridos.

O DIP se divide em duas facções principais. Os Censores que ficam na missão procurar pelo que não deve ser publicado e abafar e ainda de manipular tudo e os Agentes que devem acabar com os agitadores. As duas facções trabalham em conjunto em qualquer tipo de ação não só na imprensa mas também em outros ramos necessários.

Meta : Cabe a cada membro do DIP ajudar no desenvolvimento do país guiando a população. O povo não está pronto para saber de tudo o que acontece.

Estilo : Hoje em dia, o DIP tem usado muito de lavagem cerebral e chantagem, mais do que as torturas de antigamente. Seus contatos na polícia e outros acessos permitem que utilizem muito bem isso.

Esfera : Mente

Ferramentas : Armas, equipamentos de informação

Organização : Toda cidade possui um escritório do DIP que é liderado por um Censor chefe e um Agente chefe. A partir desses, todos são iguais, não existindo nenhuma outra hierarquia a não ser que o escritório seja muito grande, como ocorre em São Paulo. Nesse caso, existem os chefes de cada sessão e dos grupos de Agentes que estão todos sob as ordens do Censor chefe e do Agente chefe. O DIP é controlado por um junta de cinco Censores e cinco Agentes, cada um de uma região do país. Eles se reúnem sempre que surgem um problema maior.

Iniciação : Os membros do DIP são escolhidos entre pessoas cujas mentes estejam de acordo com a meta do departamento. Estas são pesquisadas durante muito tempo e algumas vezes sua vida é manipulada de modo que se tornem cada vez mais ligadas à meta até que finalmente são contatados. Os Aegntes costumam ser detetives particulares, agentes da polícia federal.

Acólitos : Dedo-duro, jornalistas

"Isso não está bom, escreva de modo que a população entenda."

local original: Trevas do Brasil
nome original: Desconhecido
autor(es): Desconhecido
tradutor(es):

 Navegação Rápida