A Umbra Alta


Aviso: Mago: A Ascensão é um jogo. É um jogo sobre temas maduros e questões complexas. O material à seguir tem relação com este jogo. Como tal, ele não requer apenas imaginação, mas também bom senso. O bom senso diz que as palavras de um jogo imaginário não são reais. O bom senso diz que as pessoas não devem tentar realizar "feitiços mágicos" baseadas em uma criação totalmente derivada da imaginação de outra pessoa. O bom senso diz que você não deve tentar desvendar agentes do sobrenatural com inspiração em uma obra completamente fictícia. O bom senso diz que jogos são apenas para se divertir e quando eles acabam, é hora de colocá-los de lado.
Se você perceber que está distante do bom senso, desligue seu computador, afaste-se calmamente e procure ajuda profissional.
Para o restante de vocês, aproveitem as irrestritas possibilidades de sua imaginação.


Vamos retornar para as névoas e procurar nossos caminhos, as trilhas que atravessam em direção ao lugar que procuramos. Eu o levarei para a Umbra Alta desta vez, o mundo das idéias, que também é chamado de Umbra Astral. Apesar de nós, magos, termos familiaridade com todos os Três Mundos, este é o nível que entendemos, melhor. Pode ver as trilhas de sonhos? Elas brilham como o luar dentro das névoas, emaranhando-se através e ao redor dos sonhos, que não procuramos agora. Quando você atravessar a Umbra, tudo o que precisa fazer é seguir as trilhas que o levam para onde deseja ir. Viajar aqui é tanto uma questão de intenção quanto de movimento ou distância. Se souber mágikas do Espírito suficientes, saberá onde ir e como chegar lá rapidamente. Se souber pouca coisa, é melhor viajar com um guia. As vezes, os espíritos protegem os caminhos e exigem um pagamento qualquer para permitir sua passagem.

Ah, olhe para os conceitos espalhados à sua frente. Ali estão os portões brilhantes, branco-pérola, dos pensamentos de alguém sobre o Céu. Palácios brancos de marfim se alinham pelas ruas de ouro, e os seus habitantes tem asas brancas, feitas de penas. O sol brilha com uma luz pura que ao mesmo tempo aquece e enobrece. Um conceito na verdade bem prosaico para ter alcançado tamanha solidez, mas ainda existe muita crença nele entre certas facções. Eu prefiro as planícies verdes sob um céu azul claro e manadas de búfalos correndo perto, o chão estremecendo graças ao seu grande número e como demonstração da sua majestade.

Este é um Inferno. De origem chinesa, acho. O cheiro é suficiente para provocar náuseas num açougueiro, e o sangue seco fere a minha visão. Eles dizem que as perversões e torturas encontradas em tais Reinos deveriam ser experimentadas pelo menos uma vez na vida. Ouvi dizer que nenhum dos céus e dos infernos encontrados aqui são os verdadeiros; aqueles aguardam por trás do véu da morte.

Vários lugares aqui são muito mais abstratos. Quanto mais fundo se vai, mais apuradas vão se tornando as idéias, até que somente as mentes mais curiosas ou criativas (alguns dizem insanas) podem entendê-las. Venha, explore este junto comigo. Não é assim tão fora do comum. Percebeu que estamos andando no teto? Vá para o próximo quarto. Agora o chão está perpendicular, comparado com aquele em que estávamos antes. Isso quer dizer que estamos na parede? Você parece surpreso. Nós fomos pela porta no lado oposto daquela pela qual entramos, mas estamos de volta ao primeiro quarto, a única diferença é que estamos no chão desta vez. Olhe para a porta do outro lado. Acene para si mesmo!

Seja educado com os espíritos aqui. Eles são conceitos e idéias, equações e hipóteses matemáticas, teorias descartadas, postuados filosóficos, teses psicológicas e crenças religiosas. Eu admito não conhecer nem metade dos Reinos e criaturas da Umbra Alta, mas posso entender seu desejo por respeito e educação. Muitos Umbróides fazem daqui o seu lar. Alguns deles são espíritos do Paradoxo que você poderá encontrar um dia do outro lado. Outros podem ser asseclas de seres com poderes comparáveis aos de um deus, que seriam capazes de esmagá-lo apenas por perturbar um dos seus servos. Se tudo falhar, lembre que se precisar entrar nos Reinos do Horizonte pela porta dos fundos, você provavelmente estará viajando pela Umbra Alta. Não ofenda os espíritos!

Enquanto falamos de espíritos, vamos descrever os diferentes tipos que você poderá encontrar na Umbra. Muitos tipos diferentes vagam pelos Reinos. Muitos magos acreditam que os espíritos são criaturas nascidas da mente inconsciente e das crenças conscientes da humanidade. Acho que nesse ponto estamos errados. Se nossos Avatares ou almas são fragmentos da consciência dos Puros, e se pensarmos nesse pedaço de nós como nosso lado espiritual, porque os espíritos também não podem ser fragmentos dos Puros? Eu acredito que todos eles já tinham sua própria existência e apenas escolheram aparecer para nós como deuses da mitologia antiga, demônios, criaturas ou monstros míticos. Talvez eles queiram se revelar para nós em formas que possamos entender. Em todo caso, nossas crenças os fortalecem e solidificam suas formas. As criaturas da Umbra, sejam espíritos ou habitantes de outros Reinos, são conhecidos como Umbróides. Nós nos dividimos quanto às idéias sobre os mestres dos Nefandi. Alguns de nós acreditam que eles sejam espíritos com poder suficiente para serem chamados de deuses das trevas; outros acham que eles são criaturas alienígenas das regiões mais sombrias do espaço. O Coro Celestial considera-os como demônios ou espíritos malignos.

Se você quiser se relacionar mais com o mundo espiritual, deverá aprender os nomes e títulos desses espíritos, os Reinos que eles governam ou povoam e quaisquer esferas em particular que eles pensam controlar. Eles são seres de grande poder e majestade, não são animais de estimação ou servos para estarem à sua disposição quando você os chamar. Sua sabedoria pode ensiná-lo muito caso você ouça. Quando convocar um deles, seja educado e peça por sua ajuda. Não exija nada; e o mais importante: não pense que você é um ser superior a eles ou que você detém a maior parte do poder nesta relação..

local original: Mago - A Ascensão
nome original: Os Outros Mundos
autor(es): desconhecido
tradutor(es): desconhecido

 Navegação Rápida